O Liverpool não demorou nem dois dias depois da derrota para o Real Madrid, na final da Champions League, para anunciar o seu primeiro reforço para a próxima temporada. O clube tentará fechar o máximo de negócios possíveis antes da Copa do Mundo. E foi tudo muito rápido mesmo. Apenas horas depois de as primeiras notícias sobre uma proposta oficial dos Reds, Fabinho foi anunciado como o novo reforço do meio-campo, setor que deve passar por uma reformulação nos próximos meses.

LEIA MAIS: Henderson: “Temos que aprender com a derrota. Estamos no caminho certo”

Fabinho chega para substituir Emre Can, cujo contrato entrou em suas últimas semanas. O alemão deve se dirigir para a Juventus. O Liverpool já fechou com Naby Keita, do RB Leipzig, e ainda está negociando com o Lyon por Nabil Fekir, que pode atuar como meia-ofensivo ou mais próximo do ataque. Ainda estão no clube o capitão Jordan Henderson, Wijnaldum e Milner, além de Lallana e Oxlade-Chamberlain, que foram utilizados no setor ao longo da temporada.

O novo reforço, que custou € 50 milhões (€ 45 milhões mais € 5 milhões de bônus), faz com que o Liverpool tenha cinco meias no time principal. Com Fekir, ou outro jogador de característica parecida, caso não haja negócio com o Lyon, chegaria a seis. Isso sem contar Lallana, cujo físico não anda muito confiável, e Oxlade-Chamberlain, que só estará recuperado da sua lesão por volta de novembro e, uma vez em forma, poderia retornar de vez ao grupo de atacantes.

Com a saída de Coutinho, o meio-campo do Liverpool ficou desfalcado. As lesões de Emre Can e de Lallana aprofundaram o problema. Quando Chamberlain, já um atleta de ataque improvisado no setor, machucou-se contra a Roma e foi substituído, não havia meia no banco de reservas de Jürgen Klopp. As chegadas de Fabinho e Keita aumentam as opções do técnico alemão. O elenco curto com o qual terminou a temporada acabou se mostrando um problema na final de Kiev. Aprofundá-lo é essencial para buscar um rendimento mais estável e tentar disputar todos os títulos da próxima temporada.

Klopp está empolgado com a polivalência de Fabinho, que pode atuar como “6, 8 ou 2”. Ou seja: primeiro volante, meia ou lateral direito. “Ele é taticamente muito forte e futebolisticamente esperto. Acho que ele melhora nosso time e você não pode dizer isso de muitos jogadores neste momento, porque a qualidade que temos é muito alta. Eu gosto que ele seja jovem, mas também experiente, com um alto número de partidas em um clube que compete para vencer. Além disso, tem partidas pela seleção brasileira, o que diz algo sobre ele”, afirmou.

Fabinho marcou 29 vezes em 225 jogos pelo Monaco e conquistou o título do Campeonato Francês de 2016/17. Uma experiência importante para um clube que quer vencer a Premier League pela primeira vez desde 1990. Apenas James Milner e Mohamed Salah já conquistaram o título inglês. Outros têm conquistas em ligas nacionais, mas de menor importância: Van Dijk (Escócia), Lovren (Croácia), Klavan (Holanda e Estônia), Wijnaldum (Holanda) e Sadio Mané (Áustria). Convocado por Dunga, o brasileiro defendeu a Seleção quatro vezes.

Fabinho não teve uma temporada tão boa pelo Monaco quanto na campanha do título francês. Mas foi novamente um jogador importante, com 45 partidas, todas como titular e apenas duas vezes substituído. Com bom passe e potente fisicamente, acrescenta, junto com Keita, mais força e poder de marcação ao meio-campo vermelho. Há um porém: segundo a comissão técnica da seleção brasileira, o volante nunca teve chance com Tite porque não consegue manter a mesma intensidade durante os 90 minutos. Para ter sucesso no Liverpool, ele precisará tê-la: Klopp exige que seus jogadores estejam ligados na tomada a partida inteira.

Depois de ser especulado em Paris Saint-Germain, Juventus, Atlético de Madrid e Manchester United, Fabinho foi parar em Anfield. Apenas o primeiro reforço do que promete ser um mercado movimentado. Além de Fekir, o Liverpool com certeza contratará um goleiro de alto nível. Mas já reforçou muito bem o seu meio-campo.