Os clubes alemães viveram noites de pesadelo na última semana, durante a disputa das competições europeias. Foram seis derrotas em seis partidas, que culminaram na demissão de Carlo Ancelotti no Bayern de Munique e complicaram a situação de quase todos os representantes germânicos nos torneios continentais. Como consequência, a Alemanha perdeu uma posição para a Itália no ranking de ligas da Uefa – o que, em outros tempos, poderia custar uma vaga na Liga dos Campeões, embora as mudanças recentes no torneio evitem este problema. De qualquer forma, o desempenho insatisfatório está mais do que claro.

VEJA TAMBÉM: A queda da Alemanha no coeficiente da Uefa não traz consequências, mas é um sinal de alerta

Nesta semana, Joachim Löw foi questionado sobre o tema, durante coletiva de imprensa antes do confronto com a Irlanda do Norte pelas Eliminatórias. E o técnico da seleção não deixou de demonstrar a sua preocupação. “As atuações fracas dos clubes alemães na Europa, espero, são apenas um baque momentâneo. Ainda assim, é alarmante. Está cedo para dizer se esta é a tendência geral. Bayern, Leipzig e Dortmund têm chance de avançar na Champions, assim como os times da Liga Europa. Mas, por um tempo, eu e meus treinadores estivemos pensando sobre como melhorar as coisas na Bundesliga”, afirmou Löw.

Além disso, o treinador da seleção preferiu recusar as exaltações que costumam fazer à Bundesliga. Para ele, o processo de aprendizagem com outros países precisa ser constante: “É errado elogiar a Bundesliga como o mais alto dos céus ou dizer que a Bundesliga produz o melhor talento. Isso não é verdadeiro e as pessoas que dizem isso foram refutadas pelos resultados recentes. Nós sabemos disso enviando observadores para outros cantos do mundo, incluindo a América do Sul. Nós sabemos que há talento ao redor do planeta e a Bundesliga não é tudo”.

Quem também comentou o assunto nesta semana foi Mathias Sammer, antigo ídolo da seleção e que trabalhou nos últimos anos como diretor esportivo, com passagens pelo Bayern de Munique e pela federação alemã. O veterano volta o seu olhar não apenas pelos resultados ruins, mas para a discussão feita sobre os entraves da Bundesliga. Segundo ele, o problema passa longe de ser apenas apenas relacionado ao dinheiro. Durante os últimos anos, os clubes alemães buscam uma maneira de tornar a liga mais competitiva comercialmente, diante do fluxo financeiro gerado por outros campeonatos de primeiro nível da Europa.

“Nossos clubes perderam contra adversários com recursos financeiros bem menores na Liga Europa. Como seria o nosso prestígio internacional sem o Bayern e o Dortmund? Infelizmente, a Bundesliga não possui a mais alta qualidade no momento. A Bundesliga precisa se olhar no espelho. O futebol alemão precisa lidar mais com as atuações ruins, ao invés de esconder isso atrás de pretensas discussões sobre a distribuição do dinheiro”, declarou Sammer, em entrevista ao Bild.