O Tottenham anunciou nesta quarta-feira a contratação do atacante Lucas Moura, de 25 anos, ex-São Paulo, que estava no Paris Saint-Germain. O brasileiro sequer vinha sendo relacionado em alguns jogos e chega ao clube de Londres por € 28,5 milhões, um preço baixo em um marcado que se paga € 50 milhões por defensores. O jogador tem a chance de relançar sua carreira, o Tottenham aposta em um bom jogador com potencial a um preço baixo.

LEIA MAIS: [Em atualização] As principais transferências das últimas horas de mercado

Lucas sempre mostrou potencial, mas ficou abaixo do que se esperava e parecia precisar de uma mudança de ares há algum tempo. Ele mesmo não quis sair no último mercado, em agosto, mas a falta de oportunidades, com apenas seis jogos, todos como reserva, o convenceu que uma mudança era necessária.

Lucas Moura chegou a Paris com a expectativa de se tornar uma das grandes estrelas do futebol europeu nos anos seguinte. Depois de se profissionalizar no São Paulo em 2010, foi contratado pelo PSG em 2012 por € 40 milhões, mas só se apresentou em janeiro de 2013, depois de ser campeão da Copa Sul-Americana pelo São Paulo.

Chegou em um clube que tinha ficado rico, contratando cada vez mais grandes jogadores. Lucas teve alguns bons momentos em Paris, como na temporada passada, quando fez 19 gols e 11 assistências em 53 jogos. Foi a sua melhor temporada pelo clube, pelo qual fez no total 229 jogos, marcou 46 gols e fez 50 assistências.

No Tottenham, Lucas vestirá a camisa 27 e terá uma concorrência forte para jogar. O time do técnico Mauricio Pochettino tem jogado no 4-2-3-1, um esquema que favorece o futebol de Lucas. O problema é que o jogador que veste a camisa 7, a sua preferida, é Heung-Min Son, sul-coreano que tem características similares à Lucas, com muita velocidade. Além dele, Érik Lamela, que é quase sempre reserva. Lucas dá uma opção diferente de, por exemplo, Sissoko, que é muito mais meio-campista.

Lucas terá a chance de mostrar o futebol que o colocou como uma das grandes promessas do futebol brasileiro quando surgiu, em 2010, e quando chegou à Europa, em janeiro de 2013. No Sul-Americano de 2011, com Neymar, ele foi um dos destaques que classificou o time às Olimpíadas de Londres, em 2012. Na competição realizada na cidade onde agora jogará, Lucas se tornou reserva.

Esteve na Copa América de 2011, mas não foi à Copa do Mundo de 2014, nem a nenhuma das duas Copas América, de 2015 e 2016. Parece ter perdido o bonde da seleção brasileira em um ano que teremos outra Copa, a da Rússia 2018. Dificilmente irá para o Mundial na Rússia e, por isso, precisa começar a pensar em mostrar o nível que tinha quando era um prodígio sub-20. Tem futebol para isso, mas precisará se adaptar a um jogo rápido e muito físico na Inglaterra. Tem tudo para ser uma grande opção a Pochettino.

Tem tudo para ser um bom negócio a todos os envolvidos. O PSG precisava vender para arrecadar dinheiro e balancear as contas, depois das contratações pesadas de Neymar e Mbappé; Lucas precisa jogar mais e o Tottenham será uma opção para isso; o Tottenham ganha uma ótima opção de elenco por um valor baixo no mercado inflacionado de transferências. Resta saber o que o campo dirá.