Felipão já disse que o goleiro brasileiro Júlio César está na Copa do Mundo 2014, mas não confirmou o atleta de confiança na titularidade. Para brigar pela camisa número 1, Júlio César precisava atuar. Não era o que estava acontecendo no Queens Park Rangers, da segunda divisão da Inglaterra, em que só atuou uma vez. A saída de Júlio César foi acertar com o Toronto FC, time canadense que disputa a Major League Soccer. Tudo para manter a forma e estar preparado para o Mundial do Brasil. Um jogador da seleção australiana estava com o mesmo problema e precisava dar um jeito.

Lucas Neill passou pelo mesmo problema antes de finalmente conseguir um time para defender: o modesto Watford, atual 12º colocado na segunda divisão inglesa, praticamente sem chances de brigar pelos playoffs de promoção. Exigência do técnico australiano Ange Postecoglou, um dos melhores profissionais da atual safra de técnicos locais.

O zagueiro Lucas Neill nunca defendeu um grande clube europeu. O máximo que alcançou na carreira foi vestir as camisas de Blackburn Rovers (2001/07), West Ham (2007/09) e Everton (2009/10). Sua história na seleção da Austrália, porém, é bem diferente. Tendo estreado em outubro de 1996, aos 18 anos e sete meses (o terceiro atleta mais jovem a vestir a camisa dos Socceroos), Lucas Neill logo ganhou importância no elenco, disputando, por exemplo, os Jogos Olímpicos em sua terra natal, Sydney, em 2000.

Aos 28 anos, o jogador atuava pelo Blackburn Rovers e teve a honra de disputar a Copa do Mundo 2006, ficando em campo nos 90 minutos dos quatro jogos da equipe na competição. Quatro anos mais tarde, na África do Sul, já com a camisa do Galatasaray, Lucas Neill recebeu a braçadeira de capitão dos Socceroos, também atuando em todos os jogos e por todo o tempo.

A última equipe de bom nível de Lucas Neill foi justamente o time de Istambul, em 2010/11, e a partir daí o atleta perambulou por várias ligas nacionais periféricas, depois de ter sido dispensado do time turco ao final da temporada. Entre meados de 2011 e final de 2013, defendeu quatro clubes diferentes. A intenção ao assinar com o Al Jazira (Emirados Árabes) era ficar um ano no time, mas a estada durou dois meses menos. Em agosto de 2012, Lucas Neill acertou vínculo de um ano com o Al Wasl, do mesmo país, mas acabou demitido seis meses depois em razão de ocupar vaga de estrangeiro – na época, o clube preferiu contar com o iraquiano Ahmad Ibrahim Khalaf na vaga de atleta asiático.

Sem espaço sequer no futebol asiático, Lucas Neill precisou se render ao futebol doméstico. Aos 34 anos, o zagueiro decidiu vestir as cores do time da cidade onde nasceu. Esperava-se que o veterano reforçasse o Sydney, que já contava com Alessandro Del Piero. Mas nem de longe Lucas Neill conseguiu repetir o sucesso dos tempos de Everton…

Enquanto o italiano, aos 38 anos, brilhou com a camisa do Sydney em sua primeira temporada, marcando 14 gols em 24 partidas (2.033 minutos em campo), Lucas Neill entrou em campo apenas três vezes, duas atuando os 90 minutos (total de 226 minutos). O contrato versava sobre a possibilidade de o jogador participar de dez partidas.

Seu último clube foi o Omiya Ardija, pelo qual jogou nove partidas no Campeonato Japonês, mas acabou não tendo o contrato renovado após o fim do período de quatro meses. Antes de acertar com o Watfod nesta semana, Lucas Neill teve abertas as portas do Blackburn Rovers, onde treinava, que aceitou que ele jogasse 90 minutos pelo time sub-21, horas antes de entrar em campo, tamanho era o desespero de Neill em atuar com frequência para conseguir uma vaga na Copa do Mundo 2014.

Depois de mais de dois meses sem jogar profissionalmente (desde novembro de 2013), Lucas Neill tem oportunidade única de mostrar ao professor Ange Postecoglou que sua experiência de duas Copas do Mundo ainda pode valer a pena para a Austrália, mesmo com o zagueiro perto de completar 36 anos, em março. Nem importa muito que ele esteja atuando numa liga sem grande qualidade, só interessa que o atleta esteja bem fisicamente.

O problema é que Neill não poderá mostrar serviço no próximo dia 5 de março, no amistoso da Austrália contra o Equador. Por opção de Postecoglou, o zagueiro ficou de fora da convocação, exatamente pela falta de tempo de jogo, já que Lucas Neill ainda não estreou pelo Watford.

De fato, o treinador optou por chamar atletas jovens (apenas Luke Wilkshire, do Dinamo Moscou, e Tim Cahill, do New York Red Bulls, são veteranos), já pensando no ciclo da Copa do Mundo 2018. Pode ser que Postecoglou se renda à experiência de Lucas Neill na convocação oficial do Mundial 2014, em maio. Mas hoje, o atleta terá que se esforçar bastante e jogar regularmente se quiser ter o mesmo destino de Júlio César.