Quando se fala em elenco entre os times ingleses, Manchester City e Chelsea se destacam. Entre os dois times titulares, já vimos que o confronto é de igual pra igual. Rodando mais os elencos, o Manchester City mostrou nesse jogo um sentido coletivo maior. O City é mais time, no sentido coletivo da coisa. A vitória por 2 a 0, pelas oitavas de final da Copa da Inglaterra, veio com os mandantes sendo melhores quase o tempo todo no estádio Etihad. Muito porque os jogadores parecem mais encaixados do que no lado dos comandados por José Mourinho.

No City, Agüero era baixa, assim como Fernandinho e Nastasic, todos por lesão. No Chelsea, John Terry também estava machucado. Manuel Pellegrini poupou o goleiro Joe Hart e deixou Negredo, Jesus Navas e Nasri no banco. Javi García, James Milner, Stevan Jovetic e Edin Dzeko começaram jogando. No Chelsea, Azpilicueta jogou pela lateral esquerda, com Ashley Cole poupado. Lampard também ficou no banco, assim como Oscar. Willian e Eto’o estiveram em campo.

O time do City parecia mais azeitado em campo. O Chelsea não criou muito e tinha só em Hazard uma alternativa para tentar quebrar a defesa, mas o belga não estava nos seus melhores dias. O gol de Jovetic veio em uma jogada toda reserva, com Dzeko fazedo o passe preciso para o montenegrino finalizar.

Willian era outro que não estava bem, apagado e não criando muito. Eto’o, isolado, pouco fez. Mesmo com a entrada de Oscar e Mohamed Salah não adiantou muito. O City continuava melhor. O segundo gol veio em uma tabela sensacional entre Nasri e David Silva, que acabou com a finalização do primeiro.

O tempo todo o Chelsea parecia menos consistente. O jogo pela Premier League, que o Chelsea venceu no mesmo estádio Etihad, foi completamente diferente. A escalação alternativa não tirou a força do time do City, mas do Chelsea sim. Como os Citizens têm o enorme desafio de enfrentar o Barcelona, sabiam que precisavam mais poupar jogadores do que o Chelsea, que não soube fazer o talento que tinha em campo se consolidar em uma atuação firme. Mourinho não conseguiu dar a esse time, um pouco mais mexido, a mesma consistência.

Bom para o time de Pellegrini, que vai às quartas de final da Copa da Inglaterra. O Chelsea terá agora que se concentrar na Liga dos Campeões e na Premier League. O City ainda está vivo em todas as competições: Copa da Liga, que decide com o Sunderland, Copa da Inglaterra, que espera o sorteio para saber o adversário, Liga dos Campeões, onde enfrenta o Barcelona, e Premier League.

Uma demonstração de força do elenco dos Citizens. Que o Barcelona se cuide, assim como os demais adversários. O time que tem Blue Moon como hino da torcida parece preparado para competir em todas as frentes pelo título.