A Copa do Mundo perderá um de seus maiores destaques individuais se Radamel Falcao García não puder mesmo defender a seleção colombiana no Brasil. O que, por si só, já é um motivo tremendo para se lamentar. Entretanto, o artilheiro tem dado mais motivos para se torcer por uma recuperação milagrosa. As declarações do jogador diante da situação dramática que vivem mostram também que, além de tudo, Falcao tem um coração gigante. Não é de se estranhar as várias manifestações de carinho recebidas após a fatalidade.

Primeiro, o colombiano demonstrou sua fé: “Não vou esconder que minha tristeza é enorme, meu coração está destroçado, mas conto com uma esperança do tamanho de um grão de mostarda à qual me apego, e é suficiente para acreditar que minha expectativa pela Copa ainda está viva. Deus faz possível o improvável, e eu creio nele”. Religiões à parte, a esperança do atacante é algo comovente. E não parou por aí.

Depois, Falcao deu provas de sua compaixão. Soner Ertek foi o responsável pela dura falta que originou a lesão do ídolo do Monaco. Um simples professor de Geografia, que divide seus tempos nas salas de aula com os treinos pelo Chasselay, da quarta divisão francesa. Logo depois do jogo, o amador já havia demonstrado seu arrependimento pelo que causou. E foi perdoado por Falcao: “Ertek, obrigado por suas mensagens. Não se culpe pelo que aconteceu. São acidentes do futebol”.

A operação para reconstituir os ligamentos do joelho esquerdo de Falcao aconteceu neste final de semana e foi considerada um sucesso. Segundo os médicos, a probabilidade que ele dispute a Copa do Mundo é de 50% – o zagueiro Pepe, que sofreu com o mesmo problema e foi tratado pela mesma equipe voltou aos treinos em cinco meses. Talvez essas chances divididas representem a diferença entre o ‘sim’ e o ‘não’. Mas, se depender da confiança do colombiano, não será surpreendente se o grão de mostarda garanti-lo no Mundial.