Em um campeonato com muito equilíbrio, como a Premier League nesta temporada, uma vitória em confronto direto pode ser fundamental. Não só pelos pontos em si, mas pela força mental que uma vitória dá. O que o Manchester City fez com o Arsenal neste sábado é um desses exemplos que um time destrói o outro mentalmente. O City venceu por 6 a 3, confirmando o seu fantástico apetite em casa e dando uma lição ao Arsenal. O desempenho que levava os Gunners à liderança foi demolido pelo excelente (e farto) elenco do time azul de Manchester.

Não é motivo para achar que tudo está acabado e o Arsenal não briga pelo título. Pelo que fez até agora, o time tem tudo para brigar. Só que contra um time como o do Manchester City, monstruosamente ofensivo, com média de mais de quatro gols por partida jogando em casa, é preciso fazer um jogo absolutamente preciso. E as falhas defensivas do Arsenal não permitiram isso.

A começar pelo primeiro gol. Um golaço de Agüero, é verdade, mas um voleio dentro da pequena área em um escanteio. Koscielny, o marcador, estava dormindo. O terceiro gol, uma saída errada de bola, foi outra falha defensiva do Arsenal. E contra esse ataque do City, o resultado foi um atropelamento.

O Manchester City já era tido como favorito ao título, à frente do Arsenal antes do início da temporada. O arsenal sofre de um mal que já o incomodou em temporadas anteriores: o confronto com os grandes. É preciso se mostrar grande nesses jogos. É quando o Manchester City cresce. E é por isso que o time é mais favorito que o Arsenal no desempenho ao longo da temporada. O Arsenal tem qualidade e futebol para brigar pelo título. Mas não tem banco. E se não conseguir vencer os jogos grandes, será mais complicado. O time mostrou contra o Borussia Dortmund, por exemplo, que é capaz de fazer isso ao vencer em Dortmund. Precisa começar a fazer isso na Inglaterra se quiser a taça no final de maio.

Com 35 pontos, o Arsenal tem agora o Manchester City a três pontos, com 32. Chelsea e Liverpool podem chegar a 33 na rodada. E tudo isso mostra que o Inglesão está aberto como poucas vezes esteve nas últimas temporadas, o que é ótimo para a liga.

Formações iniciais

Man City Arsenal 14-12-2013

Destaque do jogo

Fernandinho foi o principal jogador da partida, especialmente pelo segundo tempo. Normalmente mais contido na marcação para permitir que Yayá Touré brilhe ofensivamente, desta vez foi o brasileiro que apareceu no ataque. Fez dois gols e mostrou qualidade ofensiva que normalmente o companheiro marfinense mostra. Isso, claro, além de fazer bem a sua função, fazendo quatro desarmes, por exemplo – só atrás de Clichy nesse quesito na partida.

Momento-chave

O gol de David Silva foi fundamental. O Arsenal tinha diminuído para 3 a 2 o placar e parecia que voltaria para o jogo. Fazer um gol logo depois do Arsenal jogou um balde de água fria nas pretensões dos Gunners e deu a oportunidade do City deitar e rolar no jogo.

Os gols

14’/1T: GOL DO MANCHESTER CITY! Depois de escanteio, Agüero pega de voleio e deixa Koscielny dormindo.

31’/1T: GOL DO ARSENAL! Depois de erro de Yayá Touré na saída de bola, o Arsenal toma a bola e marca no contra-ataque com Walcott, que empata o jogo.

39’/1t: GOL DO MANCHESTER CITY! Yayá Touré faz belo passé na direita para Zabaleta, que cruza rasteiro para Negredo marcar o Segundo dos mandantes.

5’/2T: GOL DO MANCHESTER CITY! Özil erra na saída de bola, Fernandinho faz o desarme e bate colocado para marcar 3 a 1 para o City.

18’/2T: GOL DO ARSENAL! Em ataque em velocidade, Walcott recebe de Özil dentro da área e toca de primeira no ângulo de Pantilimon. Golaço que diminui o placar para 3 a 2.

21’/2T: GOL DO MANCHESTER CITY! Desta vez é o Manchester City que desce em velocidade pelo lado direito com Jesus Navas, que cruzou rasteiro para David Silva bater pelo alto e marcar 4 a 2.

43’/2T: GOL DO MANCHESTER CITY! Troca de passes envolvente do time da casa, que termina com Fernandinho tocando por cima do goleiro.

47’/2T: GOL DO ARSENAL! Mertescaker, de cabeça, desconta para 5 a 3.

48’/2T: GOL DO MANCHESTER CITY! De pênalti, Yayá Touré marca o sexto e último gol do jogo. 6 a 3 para o City.

Curiosidade

O Arsenal tinha a melhor campanha fora de casa na Premier League, com 16 pontos em sete jogos (agora oito). Só que nenhum desses pontos foi contra candidatos ao título. E assim continua. Esse volta a ser um problema dos Gunners.

Ficha técnica

MANCHESTER CITY 6X3 ARSENAL

Manchester City_escudo Manchester City
Costel Pantilimon; Pablo Zabaleta, Martín Demichelis, Vincent Kompany e Gaël Clichy; Samir Nasri (Javi Garcia, 45’/2T), Yayá Touré, Fernandinho e David Silva (James Milner, 26’/2T). Sergio Agüero (Jesus Navas, 5’/2T) e Álvaro Negredo. Técnico: Manuel Pellegrini
Arsenal_escudo Arsenal
Wojciech Sczesny; Bacary Sagna, Laurent Koscielny (Thomas Vermaelen, 42’/1T), Per Mertesacker e Nacho Monreal; Mathieu Flamini (Serge Gnabry, 27’/2T) e Aaron Ramsey; Theo Walcott, Jack Wilshere e Mesut Özil; Olivier Giroud (Nicklas Bendtner, 31’/2T). Técnico: Arsène Wenger
Local: Estádio Etihad (Manchester-ING)
Árbitro: Martin Atkinson (ING)
Gols: Agüero, 14’/1T, Negredo, 39’/1T, Fernandinho, 5’/2T, 43’/2T, David Silva, 21’/2T, Yayá Touré, 45’/2T (Manchester City), Walcott, 31’/1T, 18’/2T, Mertesacker, 47’/2T (Arsenal)
Cartões amarelos: David Silva, Kompany (Manchester City), Sczczesny (Arsenal)
Cartões vermelhos: Nenhum