Força física, boa finalização, presença de área, trabalho pelo time. São características do jogo de Diego Costa, o grande destaque do Atlético de Madrid na temporada fantástica que fez, resultado em título espanhol e em um vice-campeonato na Liga dos Campeões. Com a venda do atacante para o Chelsea, talvez essas características fossem perdidas. Não serão, ao menos não completamente. Mario Madzukic foi contratado junto ao Bayern de Munique e mantém o poder ofensivo do time, sem perder o espírito de luta.

LEIA TAMBÉM: Depois de temporada brilhante, o Atleti vira os holofotes para as arquibancadas e exalta o torcedor

Nesta temporada, Mandzukic fez 48 jogos e marcou 26 gols, além de 10 assistências. Mesmo sendo um centroavante típico, conseguiu seu espaço no Bayern de Guardiola. Sai porque o Bayern trouxe Robert Lewandowski, um centroavante com características mais próximas àquelas pretendidas pelo técnico Pep Guardiola. É mais móvel, mais inteligente sem a bola, mais versátil para atuar em um time que usa muitos passes como modo de jogo.

No Atlético, Mandzukic encontrará um time completamente diferente do Bayern. Talvez o seu maior extremo. Ao invés de um time ofensivo, uma equipe montada defensivamente. Ao invés de um time de muitos passes, uma equipe de futebol vertical, direto, transição ofensiva rápida. O Atlético de Simeone é um time que se impõe muito fisicamente, de trabalhar pouco a bola. E precisa de um ponto focal no ataque, que Mandzukic sabe fazer bem. É bom finalizador, é alto, sabe usar o corpo para proteger.

É impossível saber se Manduzkic irá vingar no Atlético. Mas é fácil ver que foi uma boa opção dos Colchoneros e ele tem as características para substituir Diego Costa. É claro que o atacante brasileiro, naturalizado espanhol, fará falta. Um jogador que faz 36 gols em 51 jogos sempre fará falta. E hoje ele é mais jogador do que Mandzukic. Mas a aposta de Simeone é certeira. E tem tudo para dar certo.

VOCÊ PODE SE INTERESSAR TAMBÉM:

Dez grandes histórias da temporada europeia

A contratação de Ángel Correa é o primeiro sinal de que o futuro do Atlético de Madrid segue promissor