Das 32 seleções que estarão na Copa do Mundo de 2018, apenas sete venceram os seus dois compromissos nesta Data Fifa – pendente o México, em campo enquanto este texto era escrito. Bélgica, Brasil e Uruguai não surpreendem tanto assim, da mesma maneira que a Suíça, considerando o nível dos oponentes dos helvéticos. Enquanto isso, outros três países menos cotados agradaram. Tunísia e Marrocos não pegaram adversários tão tarimbados assim, mas cumpriram bem sua missão. Já o Peru tinha seus testes de fogos ante europeus. Contra equipes de estilos distintos e de reconhecida qualidade, a Blanquirroja conquistou triunfos enormes – que reforçam a sua confiança rumo à Rússia.

Na última sexta-feira, a seleção peruana superou um jogo bastante intenso contra a Croácia, com uma atmosfera digna de Copa. André Carrillo e Édison Flores anotaram os gols na vitória por 2 a 0, na qual funcionou de maneira segura o 4-4-2 utilizado por Ricardo Gareca. Já nesta terça, mais festa. O Peru enfrentou a Islândia na Red Bull Arena de New Jersey. Encarou um oponente com seus desfalques, é verdade, mas dono de ótimo trabalho coletivo e consistência defensiva. Algo que não impediu a comemoração dos Incas, construindo o placar por 3 a 1.

Mais uma vez, Gareca utilizou o 4-4-2. Precisou apenas suprir a ausência de Yoshimar Yotún, apostando em um meio-campo agressivo. E o primeiro gol nasceu a partir de uma bola parada, aos três minutos. Cruzamento de Miguel Trauco para Renato Tapia completar dentro da área. Melhor no jogo, o Peru se impunha no campo de ataque e tentava encontrar uma brecha na defesa islandesa. Contudo, os nórdicos arrancaram o empate aos 22. Bola alçada na pequena área que Jon Fjóluson aproveitou, graças à saída desastrada do goleiro Carlos Cáceda.

De qualquer maneira, o Peru era melhor no jogo. O time tentava explorar a mobilidade de sua leve dupla ofensiva, formada por Jefferson Farfán e Raúl Ruidíaz, além de contar com André Carrillo e Christian Cueva nas pontas. Depois de algumas oportunidades desperdiçadas, a vitória se consumou no segundo tempo. Aos 13, Farfán ajeitou de cabeça para Ruidíaz finalizar quase sem ângulo. Por fim, o próprio veterano ratificou o resultado. Anotou o terceiro aos 30, em passe de Trauco que Flores deu o corta-luz sensacional e La Foca arrematou prensado.

Pensando nas características dos times, chama a atenção a maneira como o Peru venceu a Islândia, partindo para cima. Algo que demonstra a maneira como Gareca consegue conduzir o seu trabalho, em um time que apresenta alternativas de jogo – cada vez mais distante da aludida dependência por Paolo Guerrero. Além do mais, a confiança conquistada desde a ascensão na reta final das Eliminatórias é inegável, explodindo com a classificação na repescagem. Os últimos amistosos indicam que o ápice da Blanquirroja ainda pode estar a caminho. Pelo que tem feito, é um time candidato a se classificar aos mata-matas e, quem sabe, aprontar um pouco mais.

Quanto aos dois magrebinos, Tunísia e Marrocos também atraem os holofotes, embora tenham grupos menos acessíveis no Mundial. Os tunisianos se deram bem contra dois adversários de nível médio na Data Fifa. Abriram duas fortes defesas, primeiro ganhando do Irã por 1 a 0, antes de baterem a Costa Rica também pelo placar mínimo. Individualmente, Wahbi Khazri se sobressaiu. Atuou deslocado como homem de referência contra os iranianos e, nesta terça, se incumbiu da armação diante dos costarriquenhos. Suas chegadas foram fundamentais, resultando no gol que definiu a parada ante os Ticos.

Já Marrocos sustenta a segunda maior sequência invicta entre as seleções que estarão na Copa, com 15 jogos sem perder. O último revés dos Leões do Atlas aconteceu em junho de 2017, pelas eliminatórias da Copa Africana de Nações. Na sexta, o time assegurou um belo resultado, ao superar a Sérvia por 2 a 1. Já nesta terça, um desafio menos intenso, anotando 2 a 0 sobre o Uzbequistão. Vale dizer que o técnico Hervé Renard (em mais um ótimo trabalho na África, após ser campeão por Zâmbia e Costa do Marfim) poupou suas estrelas contra os uzbeques. Diante dos sérvios, destaque especial a Hakim Ziyech, que fez gol e deu assistência. O meia do Ajax formou qualificada trinca ao lado de Nordin Amrabat e Younès Belhanda.