A CBF merece inúmeras críticas, em diversas circunstâncias – sobretudo pela (não) administração do futebol brasileiro e pelo prevalecimento de interesses pessoais em muitas de suas ações. Às vezes, porém, é preciso dar o braço a torcer. E por mais que possa servir de subterfúgio, uma das maiores sacadas recentes em relação à seleção brasileira é o Canarinho “pistola”. Se o Fuleco aos poucos virou um ícone da zoeira durante a Copa do Mundo de 2014, logo depois bem suplantado pelos malemolentes Vinícius e Tom nos Jogos Olímpicos de 2016, nosso vazio por mascotes carismáticos parece pronto a ser ocupado por anos pelo Canarinho. A cara de enfezado, por incrível que pareça, é um detalhe em prol da simpatia – o Brasil nunca é fácil de se entender. Além do mais, de fato, sabem muito bem promover o camisa 10.

A boa fase do time a partir da chegada de Tite, obviamente, contribuiu. Mas a divulgação também está sendo bem feita. Nesta quarta, foram publicadas diversas fotos e um vídeo do Canarinho na Praça Vermelha, em Moscou. O mascote aparece interagindo com vários crianças e outros transeuntes, além de fazer embaixadinhas. Carisma extremo. Se a relação do brasileiro com a Seleção já teve vários momentos de estremecimento, em partes o bicho com cara de mau ajuda a aproximar. Aproxima sobretudo as crianças, em um momento no qual os laços com a equipe nacional e os próprios clubes brasileiros atravessa uma transformação. Em busca da real integração, Canarinho para presidente da CBF.

As fotos são de Lucas Figueiredo, da CBF