Dos grandes treinadores da Argentina comentaram sobre a situação da Argentina nas Eliminatórias da Copa, depois do empate por 1 a 1 em Buenos Aires contra a Venezuela, última colocada. Cesar Luis Menotti, que levou a albiceleste ao título mundial em 1978, fez duras críticas à atuação do time comandado por Jorge Sampaoli. Já Marcelo Bielsa, que dirigiu a Argentina na melhor campanha da história das Eliminatórias Sul-Americanas, rumo à Copa de 2002, fez elogios ao atual comandante e disse ter certeza que a equipe irá à Copa do Mundo 2018.

LEIA TAMBÉM: Sufocada pelos próprios erros, a Argentina tropeça e vê a tempestade se aproximar

Comentando o jogo, Menotti, atualmente com 78 anos, falou sobre a falta de organização da equipe, que parecia não saber o que fazer e, para ele, correu à toa. “O futebol é como o tango, não se pode correr o tempo todo. O futebol tem pausa, tem aceleração, tem ritmos, tem mudanças. A Argentina joga com vertigem e isso é o pior inimigo de um jogador de futebol. Cada vez que pega a bola, sai correndo para frente”, afirmou Menotti.

“Eles colocam drones, conversam, colocam 14 tipos para trabalhar e quando pega a bola, Messi sai correndo para frente para ver se pode driblar todos”, critica o ex-treinador. “É muito difícil, demorado, falta experiência. Não é o mesmo dirigir o Sevilla e a Argentina. Ainda mais se tem Messi e todos esses jogadores que jogam em clubes importantes”, continuou Menotti.

“Eu não entendi o time, digo com bastante prudência porque nunca falei com Sampaoli, mas não o entendo, não sei como ele joga”, continuou o histórico treinador. “A verdade é que foi um espanto, ver tudo isso foi um espanto. Eu joguei duas partidas contra a Venezuela: em Caracas, 7 a 0, em Rosário, 11 a 0… 18 gols em duas partidas. E agora tenho que ver que nos custa ganhar da Venezuela. Alguma coisa não anda bem conosco”.

Menotti foi duro, mas Bielsa foi muito mais otimista. Fez elogios a Sampaoli, que disse que não é seu discípulo e, mais do que isso, que o atual treinador da Argentina é melhor que ele. “Estou absolutamente convencido que a Argentina vai se classificar à Copa do Mundo”, afirmou o treinador em uma entrevista coletiva do Lille, time que comanda atualmente.

Antes mesmo desses primeiros jogos de Sampaoli pela Argentina, Bielsa já o tinha elogiado e negou que o treinador seja seu discípulo, com um jeito bastante característico de argumentar. “A falsa modéstia é uma coisa que eu rechaço muito porque é induzir que o outro pense o contrário do que estou dizendo. É uma espécie de manipulação que um faz ao outro. Dito isso, acredito que Sampaoli não é um discípulo meu. Primeiro porque essa palavra não é compatível comigo. E segundo porque na verdade eu notei que ele é melhor que eu e não digo isso por falsa modéstia”, afirmou o técnico, em um seminário que participou no Brasil, a convite da CBF.

A convicção de Bielsa sobre a classificação da Argentina contrasta com uma situação que não é confortável. Atualmente em quinto lugar na tabela, a Argentina enfrenta o Peru no dia 5 de outubro, em uma partida decisiva em Buenos Aires. Os peruanos estão em quarto lugar, com a mesma pontuação dos argentinos. Na última rodada, a Argentina enfrenta o Equador, em Quito. Os equatorianos, com 20 pontos – quatro a menos que os argentinos – só possuem chances muito remotas de classificação e é possível que estejam eliminados já nesta última rodada. Seja como for, a Argentina ainda depende só de si para ir à Copa.

A briga deve ser pesada porque o Chile, algoz das duas últimas Copas América, está um ponto atrás dos argentinos e estará desesperado por pontos, torcendo por tropeços da albiceleste.Os chilenos enfrentam  Equador em Santiago no dia 5 de outubro e depois o Brasil no Allianz Parque, em São Paulo, no dia 10.