A última derrota do Barcelona em casa pelo Campeonato Espanhol havia sido em 21 de março de 2012, contra o Real Madrid. O time catalão defendia uma invencibilidade de 30 partidas por La Liga no Camp Nou e 25 vitórias seguidas quando entrou em campo para enfrentar o Valencia. E apesar de receber uma mãozinha da arbitragem, em um pênalti marcado que simplesmente não aconteceu, o Barça perdeu de 3 a 2 e foi derrotado pela segunda vez no torneio.

O lance “controverso” aconteceu aos 9 minutos do primeiro tempo, quando a partida estava 2 a 1 para os visitantes. Pedro passou de primeira para dentro da área, e a bola claramente bateu no ombro de Ricardo Costa. Mesmo assim, o árbitro Pérez Montero viu toque de mão e marcou pênalti. Lionel Messi cobrou e quebrou um jejum de oito jogos de Campeonato Espanhol sem marcar.

O Barcelona passou a buscar o gol da vitória, mas esqueceu de marcar. A tática da defesa de apenas olhar os adversários passarem em vez de tentar tirar a bola deles não funcionou direito. Feghouli foi à linha de fundo sem problemas, cruzou rasteiro, ninguém interceptou – sequer tentou -, e Francisco Alcácer empurrou para as redes. Ficou mais difícil quando Jordi Alba foi expulso por ter recebido o segundo cartão amarelo.

O pior de tudo é que esse Valencia está enfraquecido. Com problemas financeiros, liberou vários jogadores na janela de transferências de inverno, como Sergio Canales, Adil Rami, Dorlan Pabón, Éver Banega, Andrés Guardado e Hélder Postiga. Das reposições, que nem são tão boas assim, jogou apenas Eduardo Vargas. Vinícius Araújo, Philippe Senderos e um envelhecido Seydou Keita ainda não estrearam.

A surpresa é que o Barcelona foi o primeiro dos três times que brigam pelo disputado título de La Liga a perder o fôlego. Foi a terceira vez nas últimas quatro rodadas que o clube catalão não venceu. Enquanto isso, o Real Madrid evoluiu e se aproximou, e o Atlético de Madrid manteve o ritmo. Os dois jogam no domingo e podem impedir que o rival chegue a 60 rodadas seguidas na liderança do torneio nacional.