Lionel Messi é um dos principais jogadores do mundo e já é colocado como um dos grandes da história do futebol. O jogador do Barcelona, que nunca atuou profissionalmente no seu país natal, falou em entrevista à emissora TyC Sports sobre sua carreira, Barcelona, seleção argentina, Copa do Mundo e até analisou o potencial da seleção brasileira, uma das rivais. Separamos alguns dos muitos assuntos que o atacante conversou com a emissora argentina, separada em tópicos.

LEIA TAMBÉM: Messi: “Não somos favoritos. Espanha, Alemanha, Brasil e França são times melhores”

Barcelona

Formado nas categorias de base do Barcelona, Messi chega aos 30 anos como o maior jogador da história do clube catalão. As especulações sobre a sua saída vez por outra acontecem, mas ele mesmo não parece alimentar muito isso. E nesta entrevista, ele falou sobre a sua relação com o clube. “Não preciso sair do Barcelona para demonstrar algo”, afirmou o camisa 10.

“Estou na melhor equipe do mundo, uma das melhores cidades, com a minha família acomodada, meus amigos. Não tenho necessidade de mudança”, explicou Messi. “Sei que todos os anos brigo para ganhar tudo. Coloco o desafio a cada ano e não preciso ir para outra equipe para demonstrar nada a ninguém”.

Perguntado se nunca pensa em uma mudança de ares, Messi admitiu que já pensou sim, mas que sempre desiste. “Eu penso em outra liga, como da Inglaterra, mas no momento da decisão, é muito difícil deixar o Barcelona”.

Elogio a Otamendi

“É um dos jogadores que cresce3u muito nos últimos anos. Com Guardiola, chegou ao seu nível máximo e hoje é um dos melhores do mundo”, afirmou Messi sobre Nicolás Otamendi, zagueiro do Manchester City e titular da seleção argentina há algum tempo. “Contar com ele conosco é espetacular. Vem demonstrando que está bem e nos sentimos muito mais seguros com ele”.

Sampaoli

“Tudo que ele faz, o faz com intensidade e põe tudo tanto no treinamento, no dia a dia, a conversa e as partidas, obviamente. Sempre está ao máximo. Te dá toda a informação que precisa antes de uma partida, depois é mais de trabalhar com intensidade e fazer tudo que se faz sempre a 100%”, disse o camisa 10.

O técnico Jorge Sampaoli chegou a dizer publicamente que Messi é o melhor da história. “Ele tinha me dito pessoalmente, mas uma coisa é quando tem jogadores e transmite a eles que são os melhores e se manifesta assim. Quando ele disse publicamente, não esperava, foi uma surpresa para mim”.

Alemanha

“Eles vêm sustentando uma ideia e fazendo as renovações no momento certo. Eu gostaria que fôssemos como a Alemanha. Eles têm outra maneira de se preparar, deixar as pessoas trabalharem, e de julgá-los e ver o que fazem”, analisou Messi.

Copa 2014

Na final da Copa contra a Alemanha, aqui no Brasil, a Argentina perdeu chances claras de gol. As mais lembradas, pela ordem, são a de Gonzalo Higuaín e outra de Rodrigo Palacio. Mas o próprio Messi teve uma chance também e acabou desperdiçando. “Eu mudaria a minha finalização. Vendo o vídeo, me dou conta que não peguei bem. Voltaria e pegaria com mais peito do pé”, disse o jogador.

O melhor da história?

“Não me interessa ser o melhor da história, não me propus nunca isso: nem em ser o primeiro, nem em ser o segundo, terceiro ou quarto. Cada vez que eu começo um ano eu tento me superar, ganhar todo, deixar tudo a cada vez que vou a campo, dar o meu máximo para meus companheiros e para mim. Não muda nada para mim ser o melhor da história”, afirmou.

“Eu quero me superar sempre e não compito com ninguém, porque não jogo para ser o melhor da história e sim para me superar anos após ano e seguir ganhando. Quanto mais títulos ganhar até o final carreira, melhor. E, obviamente, ganhar com a seleção seria o máximo porque ainda não conseguimos”, declarou o jogador.

Brasil favorito?

“Chegam muito bem coletivamente, têm jogadores de nível individual e como grupo funcionam muito bem. Se fecham bem atrás, têm jogadores fortes e saem em contra-ataque e liquidam com jogadores muito rápidos como Ney ou Coutinho. Sabem muito bem o que fazem e têm mecanizados os movimentos em nível coletivo. Tiveram a má sorte de ter Neymar parado, mas não sei se isso é bom ou ruim, porque chega descansado”, analisou Messi.

“Espanha, pelos jogadores que têm e pela maneira de jogar, mais vistosa que o Brasil; Alemanha, porque sempre está ali; e França porque têm muitos bons jogadores, ainda que o que jogue contra seja que o time tem muitos jovens”, continuou.

Neymar no Real Madrid

“Seria terrível, por tudo que significa Ney para o Barcelona. Ele se foi da maneira que se foi, ganhou um título importante aqui, ganhou a Champions, ganhou a Liga. Que termine no Real Madrid seria um golpe duro para nós e para o Barcelonismo. E a nível futebolístico faria que o Real Madrid seja muito mais forte do que já é”, afirmou Messi, que confirmou que conversa com Neymar e mantém a amizade. “Ele já sabe o que penso, já disse a ele”.

Luis Suárez

“Vivemos o dia a dia juntos e fizemos uma amizade muito forte”, contou Messi. “Não tem apenas o gol, sinto que ele te dá muitas coisas. Contagia, corre, pressiona… Às vezes estamos em uma partida pressionada e vejo que ele vem ao meu lado, depois corre para o outro lado. E isso contagia: você o vê correr e diz: ‘tenho que ir’”.

Real Madrid

Finalista da Champions League pelo terceiro ano seguido, o Real Madrid vai construindo anos incríveis no seu currículo de muitas conquistas. E recebe elogios de Messi, o craque do Barcelona. “É muito respeitado na Europa”, afirmou. “O Real Madrid tem algo que só eles têm. Jogando mal ganham, fazendo uma partida ruim, seguem em frente. Nós temos que ser muito superiores ao rival para ganhar”, afirmou o jogador do Barcelona.

“Eu não compito com Cristiano Ronaldo. Me estimula ver o Real Madrid outra vez na final, porque eu quero ganhar a Champions todos os anos. As coisas coletivas que é o que todos pretendemos quando começa o ano”, disse o argentino.

Sobre deixar a seleção

Depois da segunda derrota consecutiva na final da Copa América para o Chile, em 2016 (já tinha perdido em 2015), Messi chegou a dizer, de cabeça quente, que não jogaria mais pela Argentina. O jogador tinha chorado em campo e foi um dos que perdeu pênaltis na decisão.

“Depoois de dizer isso, eu pensei de cabeça fria e não é assim. Seria dar uma mensagem errada a toda a juventude e todas as pessoas que lutam por seus sonhos. Temos que seguir tentando e seguir lutando pelo que todos querem”, afirmou o jogador. “Entendo que a sociedade na Argentina é complicada e se perdermos, eles mesmos vão pedir para não estarmos mais”.

Sem obrigação

“Não temos obrigação nenhuma”, afirmou Messi, sobre a responsabilidade de ganhar títulos com a Argentina – algo que ele não conseguiu pela seleção principal, só pelo time Olímpico. “Somos os primeiros a querer ganhar, pelo feito de termos chegado em três finais e não ter conseguido ganhar nenhuma. É um peso que levamos nós mesmos e que desejamos superar, um desejo de todos os que vimos nesta última década ou levamos tempo na seleção”.

Objetivo na Copa

“Fazermos uma boa Copa e estar entre os quatro primeiros, nos colocar entre os quatro melhores. Argentina minimamente merece estar ali pela história que tem”, explica Messi. “Nos custou muito chegar até esta fase, me parece que temos que voltar a estar ali”.

Futuro

“Depois de terminar [a carreira] não sei o que vou fazer e a que vou me dedicar”, declarou o jogador. Atualmente, Messi não pensa em ser treinador, mas o próprio jogador lembra de um outro jogador que dizia o mesmo e mudou de ideia. “Não sei, Zidane dizia que não ia ser e terminou sendo técnico”, afirmou Messi.

Assista à entrevista completa no vídeo da TyC no Youtube: