A terça-feira ofereceu uma noite surpreendente à Concachampions. Os dois representantes da Major League Soccer venceram seus adversários da Liga MX nas quartas de final. O New York Red Bulls passeou contra Tijuana, com dois triunfos e placar agregado de 5 a 1. Já o Toronto FC conseguiu barrar o Tigres em pleno Volcán, avançando pelos gols fora, apesar de permitir a virada por 3 a 2 no fim. Nesta quarta, ao menos, os mexicanos recuperaram terreno. E serão dois embates “interligas” nas semifinais da competição continental.

O América tinha o caminho mais tranquilo. Os maiores campeões da Concacaf pegavam o Tauro, do Panamá, que já havia aprontado contra o Dallas FC na fase anterior. Desta vez, os centro-americanos não conseguiram muito. Depois da goleada por 4 a 0 no Azteca, as Águilas venceram por 3 a 1 na visita à Cidade do Panamá. Henry Martín anotou dois gols para os mexicanos, enquanto Alejandro Díaz fechou a conta. Julio Sánchez descontou para os panamenhos. Com um elenco internacionalizado e o comando do experiente Miguel Herrera, os cremas vêm com força em busca do octacampeonato na Concachampions.

Já na sequência da noite, o maior rival do América venceu sua queda de braço contra um rival da MLS. O Seattle Sounders ganhara o primeiro encontro com o Chivas Guadalajara, anotando 1 a 0 no CenturyLink Field. O Rebaño Sagrado, contudo, conseguiu a remontada no Estádio Akron. Diante da fraca campanha no Clausura do Mexicano, a Concachampions se torna prioridade ao time de Matías Almeyda. Fizeram sua parte com o triunfo por 3 a 0. Oswaldo Alanís, Jorge López e José Godínez anotaram os gols, todos no segundo tempo – e todos com sua dose de beleza, entre um míssil em cobrança de falta, um chapéu no goleiro e um toque de letra.

Nas semifinais, a princípio, o favoritismo se concentra de um lado da chave. América e Toronto FC fazem um confronto de times embalados e elencos recheados. Não seria exagero dizer que é uma final antecipada. Enquanto isso, Chivas e Red Bulls se encaram pela outra vaga. Independentemente de quem passar, entretanto, a história estará feita. Desde 2002, apenas dois representantes da MLS alcançaram a final da Concachampions. Já se os mexicanos prevalecerem, poderemos ver o maior Superclássico de todos, com o Guadalajara tentando quebrar o jejum continental que dura desde 1962.