John Obi Mikel não podia contar para ninguém. Sequestradores haviam raptado o seu pai, Pa Michael Obi, e prometeram assassiná-lo se as autoridades fossem avisadas. O ex-jogador do Chelsea informou apenas os amigos mais próximos. Não disse nada nem para os dirigentes da Federação Nigeriana, nem para Gernot Rohr, parcialmente por outro motivo: não queria ser uma distração para a partida decisiva contra a Argentina, pela última rodada da fase de grupos, que começaria em quatro horas. 

LEIA MAIS: Nenhum africano chegou às oitavas, mas isso não quer dizer que o continente fez feio na Rússia

Obi Mikel recebeu a notícia no ônibus da delegação nigeriana que se dirigia para o Estádio de São Petersburgo, na última terça-feira. Um membro da família passou para ele o número dos seqüestradores, que ordenaram o pagamento de um resgate de aproximadamente R$ 110 mil. Pa Michael Obi e seu motorista foram interceptados pelos bandidos enquanto se encaminhavam para um funeral no sudeste da Nigéria na rodovia entre Enugu e Makurdi. 

A polícia completou o resgate de ambos na última segunda-feira. “Nossos homens resgataram Pa Michael Obi, pai do capitão da Nigéria, Obi Mikel”, escreveu a conta da polícia estadual de Enugu, no Twitter. Segundo a ESPN, houve troca de tiros na operação, e o pai do jogador foi levado ao hospital para tratamento. Ele foi torturado e precisou levar vários pontos. Obi Mikel considera dar sequência aos cuidados médicos em outro país. 

“Eu joguei com meu pai nas mãos de bandidos”, disse Mikel, ao Guardian. “Eu tive que internalizar o trauma. Eu recebi a ligação quatro horas antes do começo da partida. Eu fiquei emocionalmente abalado e tive que decidir se estava mentalmente pronto para jogar. Eu fiquei confuso. Eu não sabia o que fazer, mas, no fim, eu sabia que não podia decepcionar 180 milhões de nigerianos. Eu tinha que bloquear isso da minha cabeça e representar o meu país primeiro”. 

A Nigéria poderia ter avançado às oitavas de final da Copa do Mundo com um empate contra a Argentina, e Mikel não queria dificultar as coisas. “Atirariam no meu pai imediatamente se eu relatasse algo às autoridades ou dissesse para alguém. Eu também não queria discutir isso com o treinador porque eu não queria que meu problema se tornasse uma distração para ele ou para o resto do time, no dia de um jogo tão importante”, explicou.

Esta é a segunda vez que Pa Michael Obi foi sequestrado. A outra foi em 2011, quando o jogador ainda defendia o Chelsea. Mikel, atualmente no Tianjin Teda, da Superliga Chinesa, atuou os 90 minutos da derrota por 2 a 1 para a Argentina, que eliminou a Nigéria da Copa.