Balotelli e Kaká, do Milan, não conseguiram marcar e Diego Costa,do Atlético de Madrid, foi quem comemorou um gol (Fotos: AP)

Milan teve espírito de Libertadores, dominou Atlético de Madrid, mas perdeu mesmo assim

O futebol é um dos esportes onde é possível vermos um time ser dominado por outro, jogar pior, mas mesmo assim sair de campo com a vitória. O estádio San Siro, em Milão, teve a música clássica que é tema da Liga dos Campeões e envolvia dois times europeus em uma competição do continente, mas olhando em campo, a impressão que se tinha era de um jogo de Libertadores, na Bombonera. Jogo quente, especialmente no primeiro tempo. Os primeiros cinco minutos sequer tiveram futebol, foi só correria, divididas e aqueles gritos da torcida quando um jogador mandava a bola para lateral em um chutão. Com todos esses elementos, parece justo que o único gol do jogo tenha sido marcado por um sul-americano. Só que é um sul-americano convertido em espanhol, o que é o primeiro sinal que alguma coisa está errada, uma impressão de algo fora do lugar.

O que se viu em campo foi um Milan corajoso, que atacou o Atlético a maior parte do jogo. Kaká teve duas boas chances de marcar, Balotelli teve outra e Courtois fez um milagre ao impedir um gol de cabeça de Poli. Mas o Atlético aproveitou a chance em um escanteio, fez o gol, e deixa San Siro com um lucro gigantesco. Uma vitória por 1 a 0 que, pelo futebol apresentado pelos dois times, parece estranho. O Milan foi amplamente superior na partida. É verdade que no segundo tempo foi menos perigoso que no primeiro e que o próprio Atlético melhorou na etapa final, mas ainda assim, o time italiano foi quem mandou na partida. Ser melhor é bom, mas mais do que ser, é preciso fazer. E quem fez foi o Atlético.

Pelo futebol e pela postura que teve em campo, Seedorf pode ficar satisfeito. Pelo resultado, não. Perder em casa no jogo de ida é uma desvantagem difícil de ser revertida. Terá que ter a mesma postura que teve em San Siro na casa do Atlético, o Vicente Calderón, para tentar se classificar. Não é uma missão impossível, mas será preciso aproveitar as chances e marcar gols, o que o time não foi competente em conseguir desta vez. Só que considerando que o jogo de volta será na casa Colchonera e o técnico do time espanhol é o argentino Diego Simeone, a missão do Milan fica um pouco mais difícil. Porque se é para jogar Libertadores, amigo, Simeone sabe muito bem como fazer isso.

Formações iniciais

Milan x Atlético de Madrid

Destaque do jogo

Taraabat fez uma ótima partida em Milão. Se movimentou muito pelo campo, tentou e foi perigoso. Quem diria, o jogador que vinha de duas temporadas bastante apagadas conseguiu ir bem e deu qualidade ao ataque do Milan.

Momento-chave

No primeiro tempo, Courtois foi crucial para manter o placar em branco. Duas defesas, uma delas dificílima, impediram o Milan de marcar, o que mudaria o panorama do jogo.

Os gols

38’/2T: GOL DO ATLÉTICO DE MADRID! Em cobrança de escanteio, Abate desviou a bola, que sobrou para Diego Costa subir sozinho e cabecear para as redes.

Diego Costa sobe para marcar pelo Atlético de Madrid contra o Milan (AP Photo/Antonio Calanni)

Diego Costa sobe para marcar pelo Atlético de Madrid contra o Milan (AP Photo/Antonio Calanni)

Curiosidade

O Atlético marcou pelo menos dois gols em cinco dos últimos seis jogos na Liga dos Campeões. Desta vez não conseguiu os dois gols, mas chegou à sexta vitória em sete jogos na competição.

Ficha técnica

Milan 0×1 Atlético de Madrid

Milan_escudoMilan
Christian Abbiati; Mattia De Sciglio (Ignazio Abate, 26’/1T), Adil Rami, Daniele Bonera e Urby Emanuelson; Nigel de Jong e Michael Essien; Andrea Poli (Kevin Constant, 40’/2T), Kaká e Adel Taarabt; Mario Balotelli (Giampaolo Pazzini, 37’/2T). Técnico: Clarence Seedorf

Atlético de Madrid

Atlético de Madrid
Thibaut Courtois; Juanfran, Diego Godín, Miranda e Emiliano Insua; Arda Turan (Cristian Rodríguez, 34’/2T), Mario Suárez, Gabi e Koke; Raul Garcia (Adrián Lopez, 39’/2T) e Diego Costa. Técnico: Diego Simeone

Local: Estádio San Siro, em Milão (ITA)
Árbitro: Pedro Proença (POR)
Gols: Diego Costa, 38’/2T (Atlético de Madrid)
Cartões amarelos: Abatre,Bonera, Rami (Milan), Insúa, Suárez, Diego Costa (Atlético de Madrid)
Cartões vermelhos: Nenhum