A briga pelo título na Ligue 1 é praticamente inexistente, com o Paris Saint-Germain sustentando uma vantagem de 11 pontos. O campeonato pega fogo mesmo na definição dos outros dois clubes que estarão presentes na Liga dos Campeões 2018/19. E o domingo contou com um resultado que pode ser determinante nesta disputa. O Lyon, embalado, ia conquistando um resultado excelente no Estádio Louis II, ao abrir dois gols de vantagem. No entanto, os Gones permitiram a reação do Monaco. E mesmo jogando com dez durante todo o segundo tempo, os alvirrubros asseguraram uma virada gigantesca aos 43 do segundo tempo, graças ao brasileiro Rony Lopes. O triunfo por 3 a 2 bota o time de Leonardo Jardim no G-3, tirando justamente o OL.

O primeiro gol do Lyon, aos 12 minutos, aconteceu em uma infelicidade dupla do goleiro Danijel Subasic. Primeiro, ele falhou no chute de longe de Mariano Díaz, demorando a reagir após o quique e deixando a bola entrar. Pior é que o croata, no momento em que caía, acabou se chocando contra a trave. Precisou ser substituído, lesionado. E o substituto, Seydou Sy, não passou tanta confiança. Ele titubeou após o cruzamento de Ferland Mendy e permitiu que Bertrand Traoré ampliasse aos 27.

O Monaco não esmoreceu. O empate saiu em intervalo de cinco minutos, entre os 31 e os 36 minutos. Keita Balde recolocou o time na partida com uma grande jogada individual. Partiu para cima da marcação e, na entrada da área, acertou um chute no cantinho. Já o empate viria dos pés de Radamel Falcao García, aproveitando o rebote de um pênalti que ele desperdiçou, defendido por Anthony Lopes. O problema é que, antes do intervalo, o time do principado perderia Keita Balde, que recebeu dois amarelos em quatro minutos.

Sem aproveitar a vantagem numérica, o Lyon acabou sofrendo as consequências. Aos 43 do segundo tempo, Rony Lopes surgiu como salvador dos monegascos. Tabelou com Stevan Jovetic e, de primeira, bateu rasteiro para vencer Anthony Lopes. Foi o gol mais importante do paraense no principado. Nascido em Belém, o ponta de 22 anos se destacou na base do Benfica, até ser levado pelo Manchester City. Depois acabou emprestado ao Lille e o Monaco o contratou em 2015. Ainda voltaria aos Dogues por alguns meses, mas se firma nos alvirrubros nesta temporada, com quatro gols e cinco assistências em 23 partidas pela Ligue 1. O jovem, no entanto, está fora do radar da seleção brasileira: optou por defender Portugal desde as categorias de base.

Depois de empatar com o Olympique de Marseille na rodada anterior, fora de casa, o Monaco sai revigorado da série de confrontos diretos. Ocupa a terceira colocação, com 50 pontos, um a menos que os marselheses. Já o Lyon fica para trás, com 48 pontos. E a briga pela Champions deve se conter apenas ao trio, considerando que o Nantes, em quinto, possui apenas 37 pontos.