Um repórter da BBC andava pelas ruas de Liverpool realizando uma reportagem que, no jargão jornalístico, chama-se “fala povo”. Consiste em conversar com pessoas aleatórias sobre algum assunto, geralmente para medir a temperatura da opinião pública.  Com sorte, e um bom número de entrevistados, saem declarações interessantes e, às vezes, boas histórias. Stuart Flinders deu bastante sorte naquela tarde. Às vésperas de um Liverpool e Everton, parou um senhor de 75 anos para perguntar sobre o dérbi de Merseyside de 1967, em Goodison Park. Queria saber se ele tinha alguma lembrança daquele jogo.

LEIA MAIS: Quem o Liverpool deveria contratar para o lugar de Coutinho? Damos alguns nomes

Ele tinha. “Eu me lembro. Eu joguei naquela partida. Fui goleiro do Liverpool”, respondeu Tommy Lawrence, que não jogou apenas aquela partida, mas outras 389 com a camisa vermelha entre 1962 e 1971. Lawrence, que morreu nesta quarta-feira, aos 77 anos, é considerado um dos primeiros goleiros que também executavam a função de líbero e foi uma das peças da espinha dorsal da equipe de Bill Shankly, responsável por relembrar ao Liverpool o caminho das vitórias.

Lawrence nasceu em Ayrshire, no sul da Escócia, mesmo condado onde Bill Shankly cresceu. Ainda jovem, mudou-se com a família para Lancashire, próximo a Liverpool. Estudou na mesma escola de Roger Hunt, outro grande jogador da história dos Reds, e trabalhava em um fábrica de cabos ao mesmo tempo em que atuava, como amador, no Warrington Town. Foi contratado em outubro de 1957, alguns meses depois de completar 17 anos, por Phil Taylor, antecessor de Shankly. O Liverpool ainda estava na segunda divisão.

A chance para Lawrence apareceu apenas cinco anos depois, quando o clube já havia retornado para a elite. O titular era Jim Furnell, que havia sido contratado do Burnley um ano antes. A temporada começara complicada para o Liverpool, com quatro derrotas nas sete primeiras rodadas do Campeonato Inglês. Um gol de Hunt, nos acréscimos, assegurou um empate por 2 a 2 com o Everton, em Goodison Park, mas não serviu para energizar a equipe. Na sequência, vieram derrotas para Wolverhampton e Leicester, além de um magro triunfo por 1 a 0 sobre o Bolton. Shankly concluiu que era hora de inserir sangue novo no time e promoveu a estreia de Lawrence contra o West Brom. Derrota por 1 a 0.

O momento melhoraria. O Liverpool emendou nove vitórias seguidas entre novembro e fevereiro, e Lawrence foi mantido entre a meta. O nono lugar não foi um desastre para um time que havia acabado de subir da primeira divisão, mas o futuro reservava glórias maiores para o goleiro e seus companheiros. Com uma espinha dorsal de escoceses, formada por Lawrence, Yeats, Ian St. John e Willie Stevenson, os Reds venceriam o Campeonato Inglês duas vezes em três anos, com uma inédita conquista da Copa da Inglaterra nesse intervalo. Lawrence ficaria fora de apenas quatro partidas do Liverpool pela liga inglesa ao longo de seis temporadas.

Apesar de ter recebido o maldoso apelido de “O Porco Voador”, por às vezes parecer um pouco fora de forma, mas ter a coragem de sair do gol para socar cruzamentos e lançamentos, Lawrence era ágil o bastante para ser o protótipo do goleiro-líbero. Shankly pedia que ele se posicionasse aproximadamente dez metros além do que era o costume da época. “No começo, eu estava morrendo de medo. Fizemos isso em Melwood (centro de treinamentos) e tentamos em Anfield. Estou posicionado ali e as arquibancadas começam a gritar comigo. ‘Volte para a sua linha’, gritavam. Nenhum goleiro fazia isso naqueles dias. Eu pensava ‘meu Deus do céu…’. Mas Funcionou. Eu fazia como fazem hoje em dia. Você não era expulso naquela época. Então eu derrubava todo mundo. Se tentassem passar por mim, eu simplesmente os acertava”, disse.

Roy Evans chegou ao Liverpool em 1964 para ir embora somente 34 anos depois, tendo sido jogador, membro da comissão técnica e treinador principal. Lembra, em entrevista ao site do clube, como foi a adaptação de Lawrence à nova função. “Se avançássemos no campo para fechar os espaços, Tommy estava atento e alerta. Muitos goleiros aprenderam com ele e essa é uma das coisas pelas quais vamos nos lembrar dele. Tommy foi um goleiro subestimado em muitas maneiras. Tinha esse apelido de ‘Porco Voador’, mas era realmente um goleiro muito bom e seu senso de posicionamento era ótimo”, afirmou.

A lealdade de Shankly com os jogadores que conquistaram aquelas duas edições do Campeonato Inglês durou até o fim da década. O fim da linha, não apenas para Lawrence, mas também para outras lendas como Yeats e St. John, foi uma derrota por 1 a 0 para o Watford, da segunda divisão, na Copa da Inglaterra, em fevereiro de 1970. Com o surgimento de Ray Clemence, Lawrence disputaria apenas mais um jogo pelo Liverpool, contra o Manchester City, em 1971, antes de se transferir para o Tranmere Rovers, outro clube da região de Merseyside.

Ironias da vida, Lawrence ganhou sua primeira chance porque a equipe estava precisando de sangue novo e, pelo mesmo motivo, sua carreira em Anfield chegou ao fim. O futebol é feito de ciclos.