Antes do Derby della Madonnina deste domingo, a torcida do Milan levantou em suas arquibancadas no San Siro um mosaico que mostrava a palavra “vergonha”, acompanhada, embaixo, da seguinte mensagem: “Um aplauso para as mães das vítimas humilhadas pela polícia”. A frase era sobre um caso nada relacionado ao futebol, mas que ajuda a evidenciar a tensão entre ultras e autoridades italianas.

>>> O título do Napoli acabou encoberto pela submissão do futebol ao poder dos ultras
>>> A torcida da Inter lembrou que futebol se trata da paixão dos torcedores

Em setembro de 2005, o jovem Federico Aldrovandi, de apenas 18 anos, foi detido por policiais, por perturbação da tranquilidade – aparentemente sob efeito de álcool e drogas – ,espancado até a morte e deixado em um parque da cidade de Ferrara. Em 2012, os três policiais foram condenados, mas cumpriram apenas seis meses em cárcere fechado, tendo suas penas reduzidas.

O que despertou a ira da população italiana nos últimos dias – e o protesto da torcida rossonera – foi o fato de que esses três policiais foram recebidos em uma conferência anual da polícia italiana em Rimini, no nordeste do país, sob fortes aplausos. A mãe do garoto e o ministro do interior, Angelino Alfano, foram algumas das pessoas que condenaram publicamente a ovação.

É verdade que um assunto de tamanha comoção pública pode muito bem acabar indo para os estádios, mas, no momento em que acontece, é só mais um problema sobre a forma como as autoridades italianas têm sido desafiadas. No último dérbi entre Inter e Milan, a torcida nerazzurra protestou contra a maneira como a polícia restringiu seu mosaico. Desta vez, ao que parece, não houve nenhum controle prévio das forças de segurança.

Já no sábado, Gennaro de Tommaso, líder dos ultras do Napoli, mandava e desmandava nos rumos da decisão da Copa da Itália e vestia uma camisa pedindo liberdade a um torcedor que havia matado um policial. Conforme contou Mauro Cezar Pereira em seu blog, os ultras reclamam da repressão do aparato de segurança do Estado, responsável, por exemplo, pela morte de um torcedor da Lazio em 2007, também lembrada por Mauro em seu post.

Diante de uma situação dessas, não é surpresa que os ultras aproveitem qualquer oportunidade para atacar, verbalmente, a polícia. Não que o caso de Aldrovandi e o aplauso a assassinos não seja condenável. Muito pelo contrário, é importante condenar atitudes como essa, e ver a discussão ganhar terreno também nas arquibancadas é legal. Mas sempre mantendo em mente o que pode ter motivado essa manifestação por parte da torcida do Milan.

Em campo, pouca qualidade no Derby della Madonnina
De Jong marcou o único gol do Derby (AP Photo/Luca Bruno)

De Jong marcou o único gol do Derby (AP Photo/Luca Bruno)

O jogo em si entre Milan e Internazionale foi marcado pela fragilidade técnica das equipes. A Inter, como não é novidade sob o comando de Walter Mazzarri, teve dificuldades de criar chances de ataque e não ameaçou o Milan. Já os rossoneri, donos de uma campanha esquecível no Campeonato Italiano, acabaram encontrando um gol de cabeça em bola parada, com Nigel De Jong.

A vitória magra por 1 a 0 aproximou os rossoneri da briga pela vaga na Liga Europa. O sexto colocado Torino, hoje se classificando para a competição, tem apenas um ponto a mais que o Milan (55 a 54), que está empatado com o Parma, a duas rodadas do fim da Serie A.