Não importa muito se o Brasil eliminou a Colômbia. Se o juiz teve atitudes questionáveis, para os dois lados. Se a equipe de José Pekerman tenha ficado aquém de seu potencial. Tudo isso é menor diante do fato concreto: os Cafeteros fizeram a sua melhor campanha na história dos Mundiais. E a comemoração, que já foi gigantesca apenas no retorno ao Mundial após 12 anos, contou com uma atmosfera ainda mais fantástica na recepção do elenco que esteve no Brasil. Milhares de pessoas saíram às ruas de Bogotá para ver apenas os seus campeões.

LEIA TAMBÉM
A Copa é futebol, mas também alegria, e os colombianos deixam isso claro

As estimativas são de que 120 mil pessoas foram viver o momento. Mas a impressão é a de que a população inteira da cidade de 7,8 milhões de habitantes tinha ido à festa e ainda ganhado reforço de outros cantos do país. A presença dos 55 mil colombianos foi marcante durante os jogos da Copa, uma torcida que não escondia sua paixão. Aquilo, no entanto, parece amostra grátis diante da enorme procissão que tomou conta da capital. Em carro aberto, a seleção seguiu rumo à Praça Simon Bolívar, o coração de Bogotá, onde o mar de gente se amontoava apenas para recebê-los.

O técnico José Pekerman, que levou o time tão longe na Copa, chorou e agradeceu o povo colombiano. “Sempre nos sentimos próximos e nos deram muita força em todos os momentos. A Colômbia deu um passo gigante e isso é um despertar, temos muita vontade, temos uma geração maravilhosa. Estamos à altura dos melhores. Que os colombianos se sintam orgulhosos, porque são um país maravilhoso”. Já o craque James Rodríguez ainda fez questão de se lembrar de Falcao García e homenagear o centroavante com sua camisa, além dos outros jogadores lesionados que ficaram de fora da Copa.

Como Pekerman bem definiu, é um despertar. A Colômbia possui uma seleção de futuro. Por isso mesmo, a empolgação parece ser tão grande. Porque os Cafeteros chegaram ao seu máximo, mas talvez ainda não tenham chegado ao seu ápice. E o momento grandioso deste domingo pode motivar os jogadores a tentarem repeti-lo mais e mais. A vitória moral é bem maior do que qualquer sentimento de derrota que os colombianos tenham alimentado.

Abaixo, as cenas da recepção em Bogotá e também o “Armeration” que não poderia faltar: