A rodada inicial dos mata-matas nas competições europeias é a única em que o desempenho nas fases anteriores influencia o mando de campo. Os times de melhor campanha ganham o direito de decidir em casa. E ao menos na ida dos 16-avos de final da Liga Europa, os favorecidos já começaram a definir os confrontos longe de seus domínios. Nos 15 jogos desta quinta, quase metade contou com vitória dos visitantes. Foram sete triunfos, contra cinco dos mandantes e três empates. Melhor para alguns favoritos, que retornam aos seus países bem mais tranquilos.

Na primeira prateleira da Liga Europa, Arsenal e Atlético de Madrid cumpriram suas partes. Os Gunners encararam o frio intenso em Östersunds, mas não tiveram problemas para superar a grande surpresa da Liga Europa até o momento. Contando com a colaboração da defesa adversária, os londrinos anotaram 3 a 0 na Suécia. Destaque para Henrikh Mkhitaryan, com participação direta em dois tentos. Já o Atleti tomou um susto ao sofrer o primeiro gol contra o Copenhague, mas terminou goleando por 4 a 1 na Dinamarca. Antoine Griezmann fez o seu, deu uma assistência e ainda ajudou na construção de outro tento com um belíssimo toque de calcanhar.

O Milan, que vê sua tábua de salvação na Liga Europa, espantou o risco de surpresa na Bulgária. Atropelou o Ludogorets também por 3 a 0. Patrick Cutrone, Ricardo Rodríguez e Fabio Borini marcaram os gols. O Sporting derrotou o Astana no Cazaquistão com direito a lance genial de Acuña, o Athletic Bilbao amassou o Spartak Moscou na Rússia com o poder de fogo de Aritz Aduriz e o RB Leipzig atropelou o Napoli na Itália graças aos seus contra-ataques. Mas nenhum resultado de visitante é mais valoroso que o do Lokomotiv Moscou.

Afinal, o jogo na Allianz Riviera estava nas mãos do Nice. Com dois gols de Mario Balotelli, os rubro-negros abriram excelente vantagem. Entretanto, aos que dizem que “2 a 0 é um resultado perigoso”, eis a prova irrefutável. Antes do intervalo, Manuel Fernandes descontou cobrando pênalti. O céu clareou aos 22 do segundo tempo, quando os franceses ficaram com dez homens, após a expulsão de Racine Coly. E coube a Manuel Fernandes completar sua tripleta, garantindo a virada inimaginável aos 32. Resultado excelente para os líderes isolados do Campeonato Russo, que podem investir um pouco de suas forças na competição europeia.