Rafael Nadal é líder do ranking masculino, com quase mil pontos a mais que Novak Djokovic, o segundo colocado. Embora tenha perdido o último encontro, na decisão do ATP Finals, torneio que reúne os oito melhores tenistas da temporada e encerra o circuito masculino, também tem vantagem no confronto direto: 22 a 17. No último fim de semana, os dois rivais se enfrentaram na grama sagrada, mas não foi no All England Club, sede do Grand Slam de Wimbledon. Em outro templo do esporte. Em La Bombonera.

Nadal e Djokovic foram para a América do Sul realizar algumas exibições para celebrar a aposentadoria do argentino David Nalbandian, ex-número 3 do mundo. Antes da partida entre Boca Juniors e All Boys, no último domingo, jogaram uma disputa de pênaltis, e Nadal se vingou da derrota em Londres, no começo de novembro. Ganhou por 3 a 1.

Foi até sacanagem com o sérvio, na verdade. Nadal jogou futebol antes de se dedicar de corpo e alma ao tênis. Preferia, até, o esporte que o seu tio Miguel Nadal praticou profissionalmente – foi campeão europeu pelo Barcelona – por causa do sentimento de fazer parte de uma equipe. E a discrepância de familiaridade com a bola ficou clara até na hora da corridinha antes de bater o pênalti. Por outro lado, Djokovic joga futebol melhor que Zlatan Ibrahimovic.