O jargão popular diz que a torcida é o 12º jogador de uma equipe. E em poucos clubes essa máxima se tem feito tão verdadeira quanto no Atlético de Madrid. Os 55 mil presentes nas arquibancadas contra o Barcelona formaram um craque enorme, responsável por intimidar os adversários e fazê-los perder o rumo dentro de campo. O vermelho e branco que coloriam o estádio se misturavam com o sangue que pulsava entre os colchoneros e o espanto visível na cara dos blaugranas. O Vicente Calderón honrou seu sobrenome, sua vocação.

>>> Esse Atlético de Madrid tem um coração do tamanho da Europa
>>> Não há monotonia do Bayern ou retranca adversária que resista a Robben e Ribéry

A imagem mais impressionante veio antes mesmo de a bola começar a rolar. O enorme paredão formou um belo mosaico. Um pedido único da torcida para aquela noite: Ganhar. Havia como Diego Simeone e seus jogadores negarem? “Não ganham sempre os bons. Ganham os que lutam”, afirmou o treinador, após a partida. E seus 11 guerreiros parecem imbatíveis quando têm seu enorme Leviatã rojiblanco para amedrontar quem quer que ouse pisar naquele gramado.