Melhor campanha entre as seis equipes envolvidas na repescagem européia, ataque mais positivo e posição de destaque no ranking da Fifa, em quarto. A República Tcheca assume a condição de favorita para o confronto contra a Noruega, neste sábado, em Oslo. Além dos números favoráveis, os tchecos terão o retorno de seu principal jogador.

Após anunciar a aposentadoria da equipe nacional, Pavel Nedved voltou atrás. O meia retorna para ajudar seu país a se classificar para a Copa e acabar com a fama de time ´amarelão´. Apesar de vencer nove das 12 partidas em seu grupo, o time teve de se contentar com a classificação da Holanda.

A Noruega também ajuda a despejar este favoritismo todo para cima dos tchecos. ´Sabemos que não teremos o direito de errar, mas a pressão deve ser mais forte para o lado dele´, comentou Age Hareide, treinador da equipe.

Karel Bruckner tende a escalar apenas Milan Baros no ataque. Além da volta de Nedved, o treinador comemora as presenças de Tomas Galasek, Karel Poborsky e David Rozehnal, recuperados de contusões.

Do lado norueguês, a novidade fica por conta do retorno de John Carew. O atacante esteve ausente das últimas partidas da seleção nas eliminatórias e vem se destacando no Lyon. Mas o desempenho em casa até aqui decepciona e traz preocupações: em cinco partidas nas eliminatórias, a equipe venceu duas, empatou duas e perdeu uma, tendo marcado apenas seis gols.

Leia também, sobre a repescagem para a Copa do Mundo:
Tensão marca reencontro de Uruguai e Austrália
Trinidad e Tobago e Bahrein fazem ´´duelo de pequenos´´ pela Copa
Turquia enfrenta Suíça sem medo de ser visitante
Espanha joga com força máxima