O mundo das apostas esportivas movimenta muito dinheiro em todo o planeta, e volta e meia algum escândalo é descoberto, especialmente em lugares como a Itália e o Leste Europeu. Agora foi a vez da Inglaterra entrar no mapa de possíveis alvos de combinação de partidas. Uma investigação iniciada pelo jornal inglês Daily Telegraph levou à prisão de seis pessoas suspeitas de manipular resultados, e entidades do país já trabalham a todo vapor em busca de detalhes e provas do esquema fraudulento.

As informações caíram como bomba na imprensa inglesa. Se antes a sensação era de que o futebol no país não estava tão suscetível  a manipulações pelas apostas, o caso cria uma preocupação que, por se tratar da Inglaterra, é ainda maior. As casas de apostas são muito populares entre os britânicos, e as grandes cidades têm uma praticamente a cada esquina. Mesmo com as investigações apontando para casas de apostas asiáticas como o local da ação, o episódio não deixa de criar apreensão.

As matérias sobre as prisões e os possíveis esquemas tomaram todos os jornais do país. Muitas publicações mostravam-se bastante surpreendidas com a revelação, com discursos como: “Nem mesmo o Reino Unido está livre dos esquemas”. “Endêmica” foi um dos adjetivos usados para descrever a situação.

Declan Hill, jornalista que escreveu um livro sobre o tema, falou à Sky Sports que até mesmo reconheceu algumas das figuras envolvidas no escândalo e alertou: corrupção no futebol está chegando à Europa rapidamente.

“Não estamos mais falando de algo ocasional, mas sim de um novo fenômeno de globalização da corrupção esportiva. As indústrias da música e de viagem foram revolucionadas pela globalização, e a corrupção nos esportes também. É predominante na Ásia, na África e está chegando à Europa de maneira muito séria.”

Revelações do cingapuriano detido

 

Na última terça, graças às conversas gravadas pelo Daily Telegraph, um cingapuriano que havia chegado à Inglaterra na semana anterior foi preso. No papo com um investigador, registrado em vídeos pelo jornal, o detido explicou as minúcias de como funcionam as apostas, garantiu que conseguia comprar qualquer árbitro na Europa e especificou como eram as negociações diretas com os jogadores. Apesar de não indicar que há árbitros ingleses envolvidos no esquema, suas declarações dão a entender que a Inglaterra estaria, sim, dentro do escândalo.

Para os árbitros, o cingapuriano afirmou que com £ 20 mil por partida, conseguia ludibriar qualquer árbitro na Europa. Quanto aos jogadores, no caso de atletas de divisões inferiores, £ 50 mil eram suficientes para determinar resultados, até em seus detalhes, como quantos gols por período. Mesmo cartões amarelos poderiam ser arranjados, e o corruptor poderia inclusive escolher quem seria o amarelado, pela bagatela de £ 5 mil.

O arranjador de resultados diz que na Inglaterra o custo é mais alto. Segundo ele, normalmente é preciso pagar £ 70 mil por partida. Explicando como é feita a partilha do lucro nas apostas, ele afirma que, no caso da Inglaterra, ficaria com 20 ou 30% e que o resto ficaria com o investigador. Perguntado se não era difícil convencer os jogadores, o cingapuriano foi incisivo: “eles querem dinheiro”. “Na Inglaterra, os jogadores ganham em média £ 5 mil por mês. Então, por 90 minutos, eu lhes pago £ 7 mil. (Por fazer isso) em duas horas, eles aceitam”, revela na conversa.

Até agora, sabe-se que, dos seis detidos, pelo menos três são ou foram jogadores em algum momento. Delroy Facey, ex-jogador do Bolton e hoje empresário de atletas, está entre os presos. As investigações estão sendo lideradas pela National Crime Agency, equivalente britânica ao FBI e recém-criada, juntamente com a Football Association.

Ligação com chefão de apostas asiático
Wilson Raj Perumal, o "rei das apostas" (AP Photo/Lehtikuva, Kaisa Siren, FILE)

Wilson Raj Perumal, o “rei das apostas” (AP Photo/Lehtikuva, Kaisa Siren, FILE)

Em certo ponto da conversa, o homem revela que trabalha para Wilson Raj Perumal, também de Cingapura, atualmente preso e acusado de manipular apostas nos últimos 30 anos. O “chefão” das apostas está inclusive ajudando a polícia húngara a investigar a corrupção no futebol, tamanha é sua influência. “Em manipulação de partidas, ele é o rei. Todos no mundo o conhecem”, fala o detido na gravação.

A publicação aponta que as apostas acontecem na Ásia e que as casas de apostas inglesas não estariam envolvidas no esquema. Segundo o Daily Mail, jogos da quinta e sexta divisão da Inglaterra estariam sendo altamente lucrativos para os manipuladores, o que estaria causando uma debandada dos apostadores britânicos nessas divisões desde o início de 2013.

O que vem por aí

Certamente a história irá se desenrolar em mais capítulos, visto que aparentemente a investigação está em fase de certa forma inicial, e muito pouco pôde ser revelado pelas entidades que cuidam da operação. Para maior alívio dos ingleses, tudo indica que não há nenhum clube da Premier League minimamente envolvido no que foi descoberto até agora. O impacto que causaria uma possível relação da elite inglesa com esquemas do tipo seria altamente danosa para a liga mais rica do mundo.