O Atlético de Madrid foi campeão espanhol na última temporada, além de finalista da Liga dos Campeões, mas isso não parece ter subido à cabeça do técnico do time, Diego Simeone. Em declarações nesta quinta, o treinador deixou claro que a briga dos Colchoneros não é contra Real Madrid e Barcelona, e sim contra Valencia e Sevilla pelo terceiro lugar. E isso não é uma loucura: ele sabe do que está falando.

LEIA TAMBÉM: O apego às raízes explica por que Reus e Müller recusaram o Manchester United

“Não gosto de mentir às pessoas e uma coisa está clara: não podemos competir com Real Madrid e Barcelona. Nossos rivais são Sevilla e Valencia. O objetivo é o terceiro lugar”, disse o treinador ao jornal italiano Gazzetta dello Sport. “Nós mudamos, sobretudo o ataque. Vejo como um novo começo porque a equipe é diferente: Mandzukic, Raúl Jiménez e Griezmann são diferentes de Diego Costa, David Villa e Adrián. Estamos tentando descobrir qual o estilo que melhor se adapta a nós. Por isso, peço paciência”, continuou.

“O campeão é o Atlético, os jogadores não são os mesmos. Estamos em uma liga diferente de Barça e Real Madrid”, disse. Apesar das falas humildes do técnico, o Atlético gastou € 101,5 milhões em transferências. Mas só conseguiu fazer isso porque recebeu € 87,5 milhões, como argumentou o treinador argentino. “O gasto para contratações se deve ao que vendemos”.

Foram muitas as contratações importantes e, apesar do que Simeone falou, o time ganhou até mais opções, em termos de quantidade, do que tinha na temporada passada. O time não tem mais Diego Costa em fase iluminada, mas montou uma artilharia bem mais pesada.

O Valencia parece ter melhorado e o Sevilla mostrou, na segunda metade da temporada passada, que é um time para brigar na parte de cima da tabela. Só que o Atlético tem muito mais recursos, mais jogadores de qualidade e a confiança de já ter conseguido chegar lá. Tem também o respeito dos adversários, o que é uma faca de dois gumes. Afinal, se por um lado as coisas podem funcionar melhor porque os adversários podem se sentir mais intimidados, também ficam mais precavidos e não darão espaços, marcarão mais em cima.

Simeone sabe que mesmo com o time reforçado, o elenco de Barcelona e especialmente do Real Madrid são muito mais recheados e os dois têm força no elenco que o Atlético não terá. Mas não dá para ignorar o trabalho da temporada passada e, até por isso, Barça e Real devem entrar mais atentos no campeonato. Mesmo com tudo que Simeone disse, subestimar o Atlético não é um bom negócio. O time não pode ser desconsiderado na disputa pela taça. Basta lembrar do primeiro grande confronto da Supercopa da Espanha.