Emenike Besic Nigéria Bósnia 169

Nigéria 1×0 Bósnia: Primeira Copa dos bósnios acaba em decepção e eliminação antecipada

A crônica

Se tem uma coisa que podemos afirmar a essa altura é que a primeira rodada da Copa do Mundo não deveria ter sido tão usada como parâmetro para projeções sobre o torneio. Depois de algumas surpresas nessa segunda rodada, foi a vez de outra suposição ir por água abaixo. Pelo o que mostraram em suas estreias, Nigéria e Bósnia-Herzegovina foram para um jogo do qual muitos apostavam que Dzeko e companhia sairiam vencedores, mas o que se viu foi a superioridade das Super Águias, que venceram por 1 a 0, levando mais perigo que o adversário em quase todo o jogo.

No primeiro tempo, a partida esteve muito equilibrada. Uma série de lances para os dois lados manteve a partida bastante interessante durante todos 45 minutos iniciais. Ambas as equipes finalizaram bastante, forçando Enyeama e Begovic a fazer boas defeas. Edin Dzeko até chegou a abrir o placar aos 21 minutos, mas teve seu tento injustamente anulado pelo auxiliar, que viu posição de impedimento quando na verdade o centroavante estava em posição legal.

O equilíbrio era visto até pelas sucessivas jogadas dos dos times no ataque, mas a Nigéria era um pouco melhor, e logo essa superioridade sutil se fez valer também no placar. Bastante móvel, o setor ofensivo nigeriano trocava posições e dificultava a marcação da Bósnia-Herzegovina. Inicialmente escalado como ponta esquerda, Musa aparecia na direita. Odemwingie, o ponta direita, ia pelo centro em algumas jogadas, e Emenike, o centroavante, se apresentava também pelo flanco direito.

Isso acabou resultando no primeiro gol do jogo. Aos 29 minutos, Emenike caiu pela direita e cruzou para Odemwingie, que chegou batendo rasteiro, entre as pernas de Asmir Begovic, para fazer 1 a 0. O gol nigeriano deu uma assentada na Bósnia, que não conseguiu mais armar suas jogadas de ataque com a mesma eficiência de antes. Os passes aconteciam, mas a insistência em tentar colocar a bola nos pés de Dzeko limitava a qualidade dos ataques bósnios.

Apesar do placar magro, a Nigéria adotou para o início do segundo tempo uma postura defensiva, vendo a Bósnia tocar com tranquilidade a bola e tentar se aproximar do gol defendido por Enyeama. Entretanto, os nigerianos estavam bem fechados, e por melhor que fossem os passes bósnios e por mais paciente que fossem seus armadores, as Super Águias não cediam. Eventualmente, pegavam a bola e tentavam o contra-ataque em velocidade pelas pontas. De quebra, a primeira finalização perigosa da etapa complementar foi da Nigéria. Aos dez minutos, Babatunde arriscou da entrada da área e forçou Begovic a fazer boa defesa.

O ritmo inicial da seleção bósnia foi caindo, e a Nigéria foi ganhando terreno no jogo. Estava tão fácil para os africanos chegarem ao ataque que passaram a dominar mais as ações ofensivas já aos 15 minutos. Babatunde, em ótima jogada individual, se livrou de três marcadores e bateu forte, para defesa de Begovic. Um minuto depois, o goleiro teve que trabalhar mais uma vez, saindo nos pés de Emenike, que apareceu livre pela esquerda para finalizar na pequena área.

Pouco criativa e muito dependente de Pjanic na armação, a Bósnia-Herzegovina não ameaçava empatar o jogo. As duas melhores chances entre os 15 e 30 minutos do segundo tempo foram de Ibisevic, que havia entrado há pouco. Primeiro o jogador desperdiçou uma chance dentro da área, finalizando torto uma jogada em que tinha companheiros melhor posicionados para tentar o gol. Depois, completando de cabeça um escanteio, praticamente dentro da pequena área, e mandando sobre a meta de Enyeama.

Nos últimos três minutos, a Bósnia-Herzegovina teve duas ótimas oportunidades de chegar ao empate e se salvar na Copa do Mundo, ambas com Dzeko. Na primeira delas, a cabeçada em cobrança de escanteio caiu no colo do goleiro nigeriano. Depois, aos 47 do segundo tempo, Dzeko recebeu na área, se livro da marcação, e Enyeama fez grande defesa com o pé esquerdo, contando ainda com a trave direita para evitar o empate.

A segunda derrota da seleção bósnia em dois jogos eliminou antecipadamente a equipe no Grupo F. Agora, encerra sua participação na primeira Copa do Mundo de sua curta história contra o Irã, que ainda briga por uma vaga inédita nas oitavas de final. A Nigéria, que mereceu a vitória pelo que fez contra os bósnios (apesar do erro de arbitragem no gol anulado de Dzeko), pega a poderosa Argentina na última rodada. Com quatro pontos, as Super Águias estão atualmente na segunda colocação, mas podem ser superadas se perderem para a Albiceleste e o Irã vencer a já eliminada Bósnia-Herzegovina.

FICHA TÉCNICA

Nigéria 1×0 Bósnia-Herzegovina

Nigéria

Nigéria EscudoVincent Enyeama; Efe Ambrose, Joseph Yobo, Kenneth Omeruo e Juwon Oshaniwa; Ogenyi Onazi, John Obi Mikel, Peter Odemwingie, Michel Babatunde (Ejike Uzoenyi, 30′/2T) e Ahmed Musa (Shola Ameobi, 20′/2T); Emmanuel Emenike. Técnico: Stephen Keshi.

Bósnia-Herzegovina

Bosnia escudoAsmir Begovic; Mensur Mujdza, Toni Sunjic, Emir Spahic e Senad Lulic (Sejad Salihovic, 13′/2T); Haris Medunjanin (Tino-Sven Susic, 19′/2T), Muhamed Besic, Izet Hajrovic (Vedad Ibisevic, 12′/2T), Miralem Pjanic e Zvjezdan Misimovic; Edin Dzeko . Técnico: Safet Susic.

Local: Arena Pantanal, em Cuiabá
Árbitro: Peter O’Leary (NZL)
Gols: Odemwingie, 29′/1T
Cartões amarelos: Haris Medunjanin e John Obi Mikel
Cartões vermelhos: nenhum

O cara

Emmanuel Emenike
Emenike deu trabalho à defesa bósnia

Emenike deu trabalho à defesa bósnia

Emir Spahic deverá ter pesadelos com Emenike esta noite. O atacante nigeriano ganhou quase todas as divididas com o zagueiro bósnio, com destaque para o lance do gol de Odemwingie, em que o centroavante das Super Águias tirou Spahic da jogada usando o corpo e serviu o companheiro para marcar o tento solitário da vitória. Emenike foi o mais perigoso da Nigéria, não se atendo ao papel de centroavante e se movimentando por quase todo o campo de ataque.

Os gols

29’/1T: GOL DA NIGÉRIA!

Emenike sai da área, faz boa jogada pela direita e cruza para Odemwingie, que chega batendo entre as pernas de Begovic para abrir o placar.

A Tática

Escalações iniciais de Nigéria e Bósnia-Herzegovina

Escalações iniciais de Nigéria e Bósnia-Herzegovina

Enquanto no 4-2-3-1 da Bósnia-Herzegovina Edin Dzeko é o centroavante fixo, procurado por um tridente de armação igualmente sem muita troca de posições, o 4-2-3-1 da Nigéria é bem mais móvel. Emenike cai para a direita, Odemwingie fecha pelo centro, e às vezes Musa aparece na ponta contrária à que começou o jogo. Ótima movimentação. Onazi também chega mais ao ataque que qualquer um dos meias centrais da Bósnia.

A Estatística

18

Com o gol de Odemwingie contra a Bósnia-Herzegovina, a Nigéria chegou a 18 gols em Copas do Mundo, ultrapassando Camarões (17) e assumindo o pódio de seleção africana que mais balançou as redes em Mundiais.