O agora aposentado Ronaldinho ganhou uma coleção de chuteiras em sua homenagem. A Nike apresentou os dois primeiros modelos de uma linha que levará o nome do antigo melhor do mundo de 2004 e 2005 pela Fifa. Os dois primeiros modelos da “Nike 10R City Collection” trarão menções às duas primeiras cidades onde ele brilhou: Porto Alegre, onde surgiu como craque no Grêmio, e Paris, primeira cidade europeia onde teve que mostrar os eu valor no Paris Saint-Germain, em tempos bem menos endinheirados que os atuais.

LEIA TAMBÉM: Cristiano Ronaldo, Neymar e Coutinho estrelam chuteiras da coleção Sangue Quente e Sangue Frio

“Nasci em Porto Alegre e meus melhores amigos ainda vivem lá. Foi lá também que me transformei num jogador profissional, pelo Tricolor – clube para o qual torço até hoje. Ganhei meus primeiros títulos e joguei na Seleção pela primeira vez em Porto Alegre”, lembra Ronaldinho. Ele surgiu como um prodígio no tricolor, em 1998, antes de explodir para o Brasil e para o Mundo em 1999. Brilhou em Gre-Nais e encantou o mundo com aquele golaço sensacional contra a Venezuela na Copa América daquele ano.

A saída do Grêmio foi bastante conturbada. Ele assinou um pré-contrato com o Paris Saint-Germain, em uma época que os clubes ainda estavam aprendendo a lidar com o fim da Lei do Passe – antes, os jogadores ficavam vinculados ao clube mesmo sem contrato. Ronaldinho dizia que adoraria continuar, mas já tinha assinado com o clube de Paris e, quando acabou o seu contrato, partiu para a Europa e o Grêmio não recebeu compensação financeira. Só que o Grêmio não aceitou passivamente, entrou na justiça e o jogador ficou impedido de atuar até agosto de 2001. No início de 2002, o PSG aceitou pagar US$ 4,2 milhões como compensação ao Grêmio e o processo foi encerrado.

Em Paris, Ronaldinho recebeu a camisa 21 quando iniciou a sua trajetória e se tornou rapidamente destaque do time. Em um PSG qye ficava longe de disputar os principais títulos na época, Ronaldinho brilhou, encantou e mostrou a sua magia. Na segunda temporada, Ronaldinho já vestia a sua camisa preferida, a 10, e continuou brilhando. Tanto que não ficou muito mais tempo no time: em julho de 2003, Ronaldinho foi para o Barcelona por € 30 milhões. O resto, a gente sabe, é história – mas evidentemente será explorada pela coleção mais adiante.

Os dois modelos têm uma linha vermelha, outra laranja e uma amarela fazendo uma costura colorida no calcanhar. Cada uma delas representa, respectivamente, a família, a música e a alegria. Outra homenagem à personalidade de Ronaldinho está nas palavras “eu jogo com música na cabeça”, escritas sob a língua de cada pé, no idioma de cada uma das duas cidades referidas. Um logo “10R” em alto-relevo, na região em cima dos dedos, e o sinal de hang loose desenhado nas palmilhas completam o design. No Brasil, a coleção estará disponível na maior loja da Nike, o nike.com, e para todo mercado a partir de 01/02.

Ronaldinho respondeu algumas perguntas da Trivela sobre a carreira e a nova coleçao.

Trivela: De que forma você ter jogado na rua te ajudou em campo?

Ronaldinho: Ajudou muito. Eram tempos diferentes, a gente não tinha toda essa tecnologia que existe hoje em dia e a gente gostava era de brincar na rua. Eu vim dessa geração, Graças a Deus, que eu sinto muita saudade. Eu vivia jogando na rua, vivia com bola 24 horas, não tinha tanto tempo para ficar com toda essa tecnologia, meu negócio era só ficar brincando com bola, então isso me ajudou muito a ter uma afinidade com a bola.

Qual a diferença entre jogar num espaço reduzido e jogar num campo aberto?

É muito diferente. Quando você joga num espaço reduzido, ou você joga na rua é muito diferente. Quando você tem pouco espaço para se mexer, e pouco tempo para pensar isso te ajuda muito quando você vai jogar num campo muito maior com muito mais tempo para pensar. Acho que essa coisa de jogar na rua ou jogar futebol de salão, de jogar com espaços reduzidos te ajudam muito na hora do futebol de campo.

Você tem alguma chuteira inesquecível?

Tenho… Acho que a chuteira mais importante é a Tiempo branca com dourado, quando eu estava no Barcelona, a minha história faz parte daquilo. O primeiro vídeo a chegar a um milhão de views no youtube na época, junto com a Nike foi usando essa chuteira. Meus principais títulos individuais foram com essa chuteira, e depois a Champions League e todos os títulos importantes da minha carreira foram com essa chuteira.

Do que você mais gostou nessa coleção?

Gostei de tudo! Essa aqui é a minha vida, minha história reduzida nas minhas chuteiras,  toda minha carreira, então tá tudo muito lindo.

Qual o principal ponto na hora de escolher uma chuteira? Qual a sua dica? O que não pode faltar?

Para mim sempre foi o conforto. Eu sempre gostei de olhar o material para saber ele é confortável, se vai conseguir acompanhar os movimentos que eu vou ter que fazer na hora do drible, na hora de controlar a bola.