A angústia da torcida do Sampaio Corrêa durou pouco. Se os tricolores sofreram no ano passado, com a fraquíssima campanha na Série B do Brasileirão e o consequente rebaixamento, neste sábado puderam celebrar a redenção. A Bolívia Querida estará de volta à segundona em 2018, conquistando o acesso na Série C. A tarde no Castelão teve os seus momentos de provação, com o Volta Redonda ameaçando bastante nos minutos finais, dependendo de apenas um gol para frustrar a multidão nas arquibancadas. Ao final, o Sampaio segurou o empate por 1 a 1, já suficiente para ser promovido, depois da vitória por 1 a 0 na visita ao Raulino de Oliveira no final de semana passado. A festa em São Luís será enorme.

Após a frustração vivida em 2016, o Sampaio Corrêa precisou enfrentar alguns percalços no início do ano. O técnico Francisco Diá chegou em fevereiro, diante da sequência de resultados pouco satisfatória no Campeonato Maranhense. E os tricolores ainda ganharam o conturbado estadual, marcado pela interferência do STJD, em um momento no qual já pegavam embalo na Série C. O Tubarão fez uma campanha segura desde o início da competição nacional, figurando entre os primeiros colocados do Grupo A. Terminaram na liderança, somando os mesmos 32 pontos do CSA, mas com vantagem no total de vitórias. Além do mais, os maranhenses sustentaram o melhor ataque da chave e sofreram apenas quatro derrotas nos primeiros 18 jogos.

O favoritismo do Sampaio Corrêa contra o Volta Redonda, quarto colocado do Grupo B, era evidente. E começou a se provar desde a partida de ida, na visita dos tricolores ao interior do Rio de Janeiro. Graças a um gol nos acréscimos do segundo tempo, anotado por Zaquel, a Bolívia Querida voltou a São Luís com a vitória por 1 a 0. Tinha a vantagem do empate em um Castelão que prometia estar lotado. Assim se fez, com quase 32 mil pagantes nas arquibancadas, colorindo o estádio em três cores e botando pressão sobre os visitantes. O ambiente era fantástico, com direito a faixas e fumaça na recepção dos times.

O Volta Redonda, entretanto, não se intimidou. Precisando de ao menos um gol para forçar os pênaltis, o Voltaço partiu para cima e levou mais perigo no primeiro tempo, embora o Sampaio também tenha forçado boas defesas do goleiro Andrey. O placar só se movimentaria no segundo tempo. Diante do desespero dos visitantes, os tricolores passaram a explorar os contra-ataques. Desta maneira, conseguiram abrir o marcador aos 36, com Fernando Sobral aproveitando o cruzamento rasteiro. O Voltaço não estava morto e arrancou o empate cinco minutos depois, com Luan aproveitando a bagunça após cobrança de escanteio de Dija Baiano. E, dependendo apenas de mais um tento para o acesso, os fluminenses foram para o abafa. Apesar dos minutos angustiantes, o Sampaio se segurou e pôde festejar ao apito final. A Série B voltará a ser a sua realidade.

Ao longo dos últimos anos, o Sampaio se acostumou à vida de acessos. Este é o terceiro desde 2012, e dará a chance aos tricolores de tentar conquistar a terceirona, pegando o Fortaleza nas semifinais. Quando subiram a última vez, em 2013, acabaram com o vice-campeonato da divisão, derrotados pelo Santa Cruz na final. De qualquer forma, o objetivo primordial foi cumprido neste sábado. E o trabalho que se inicia a partir de agora é o de tentar se estabelecer na Série B. Foram duas campanhas satisfatórias em 2014 e 2015, até que o desastre se consumasse com a lanterna em 2016.

E o ano ainda termina particularmente saboroso para a torcida do Sampaio Corrêa em relação aos rivais no Maranhão. A Série C poderia ter até três representantes do estado em 2018, mas ficará com nenhum. Em agosto, o Maranhão Atlético Clube perdeu a chance de subir na Série D justamente no confronto decisivo, superado pelo Operário Ferroviário. Já no início de setembro, seria a vez do Moto Club ser rebaixado na terceirona, em episódio que foi parar no STJD, diante das acusações de que o Sampaio facilitou o duelo contra o Botafogo da Paraíba para dificultar a vida dos rivais. Agora, a Bolívia Querida mostra que a felicidade é mesmo tricolor.

PS: Logo mais, publicaremos também um texto sobre o acesso do Fortaleza, superando o Tupi.