Dificilmente surgirá um craque como Neymar. Ou mesmo alguém excepcional como Robinho. Ainda assim, o Santos pode se sentir esperançoso. O título da Copa São Paulo é mais um selo de qualidade que indica o surgimento de outra boa fornada de ‘Meninos da Vila’ – que já tinha conquistado a Copa do Brasil Sub-20. Os alvinegros tiveram uma campanha excepcional, com oito vitórias em oito jogos, e, na decisão,mataram o jogo contra o Corinthians logo no primeiro tempo. Se a transição ao profissional for bem feita, será possível colher os frutos.

Durante o último ano, quando também faturou a Copinha, o Santos já tinha aproveitado bastante sua base. Um processo bastante compreensível, pelo momento vivido pelo Peixe. Os milhões investidos na permanência de Neymar diminuíram os recursos para a montagem do primeiro time e a chegada de Claudinei Oliveira privilegiou esse processo. Mesmo com os milhões (talvez não tantos quanto o clube realmente deveria receber) ganhos com a venda de Neymar, a equipe foi reforçada aos poucos. Chance para que garotos como Gustavo Henrique, Leandrinho, Léo Cittadini, Gabriel Barbosa e Emerson pudessem mostrar serviço.

O calendário virou, Claudinei foi-se embora, mas o espaço aos garotos segue considerável. A montagem do elenco para o novo ano permitirá as observações. E Oswaldo de Oliveira possui um histórico favorável em relação ao trabalho com jovens, o que tende a facilitar ainda mais esse trânsito. No meio-campo e no ataque aparecem os destaques individuais, mais credenciados para serem seguidos de perto pelo treinador. Já a defesa, muito bem montada pelo técnico Pepinho, só sofreu três gols e pode ter jogadores como o zagueiro Naílson e o goleiro João Paulo aproveitados no futuro.

Lucas Otávio pode ser apontado como o craque da Copinha. Um dos poucos remanescentes do título de 2013, o volante de 19 anos foi o motor do time na competição, garantindo solidez, combatividade e boa saída de bola aos alvinegros. E o clube sabe do tesouro que tem em mãos. O capitão do Peixe já possui um contrato digno de astro, com multa rescisória na casa dos € 30 milhões. Mais à frente, o meia Serginho regeu o time com ótima visão de jogo. E, no ataque, Diego Cardoso e Stéfano Yuri combinaram mobilidade e poder de fogo no ataque, responsáveis por 18 gols dos 29 marcados pelos santistas na competição.

Como em qualquer processo de transição na base, o Santos não pode ter pressa. É preciso avaliar o grau de amadurecimento dos garotos para irem ganhando cancha no time profissional. Contudo, pelas mostras que muitos têm dado nos juniores, as perspectivas são boas. Alguns desses devem se tornar peças úteis no primeiro elenco. E, caso não rendam em campo, também podem trazer garantir algum dinheiro para os cofres do Santos. Por mais que a Copa São Paulo esteja inchada e tenha perdido seu ‘charme’, não dá para negar a sua capacidade em seguir apresentando talentos.

Cinco promessas da Copinha 2014

Abaixo, cinco jogadores que saíram da Copa São Paulo com moral e que devem ser observados de perto por suas equipes principais

lucas

Lucas Otávio (Santos) – Capitão dos alvinegros, foi o esteio do meio-campo do time campeão, demonstrando uma maturidade digna de veteranos. Com contrato renovado no início do ano, deverá integrar os profissionais já nesta temporada.

Diego Cardoso (Santos) – Um dos artilheiros da competição, com nove gols, também foi decisivo ao abrir o placar na decisão. Veloz e oportunista, já tem as portas abertas no Peixe, fazendo sua estreia pelo time principal já neste Paulistão, quando estava suspenso na Copa SP.

Zé Paulo (Corinthians) – Maestro da campanha alvinegra até a final, foi imprescindível em vários momentos da trajetória. Bom para ditar o ritmo de jogo e para articular a equipe, também possui porte físico e um chute perigoso de média distância. Malcon, de apenas 16 anos, também impressionou.

Carlos (Atlético Mineiro) – Cotado como um dos favoritos ao título, o Galo perdeu justamente para o Santos na semifinal. O atacante foi o protagonista dos mineiros, graças a sua qualidade com as duas pernas e à explosão.

Gustavo (Taboão da Serra) – Os times pequenos também servem para dar notoriedade a algumas boas promessas na Copinha. E, nesta edição, ninguém se sobressaiu mais que o atacante Gustavo, um dos artilheiros, que acabou fechando contrato com o Criciúma logo após o fim do torneio. Cria da várzea, deverá ser trabalhado um pouco mais na base do Tigre.