O empate entre Barcelona e Celta aumentou ligeiramente as expectativas nesta 14ª rodada do Campeonato Espanhol. Afinal, o Valencia poderia ficar a apenas dois pontos dos Culés na disputa da liderança de La Liga. Pois os Ches perderam a grande chance que se configurou. Mesmo com um a mais desde o primeiro tempo, foram derrotados pelo Getafe, por 1 a 0, vendo o fim de uma sequência de 13 jogos de invencibilidade na temporada. E seguem cinco pontos atrás do Barça.

E já no primeiro tempo, o Getafe mostrou condições de frustrar os valencianistas, ao criar a primeira chance de gol: aos seis minutos, Dakonam Djené lançou, para o chute alto de Jorge Molina. Os visitantes só apareceram a partir de uma bola parada: aos 17, Dani Parejo cobrou, e o goleiro Vicente Guaita espalmou. E a situação dos mandantes no Coliseum Alfonso Pérez se dificultou de vez graças à falta de cuidados de Mauro Arambarri. Aos 21 minutos, ele levou cartão amarelo, ao cometer falta sobre Andreas Pereira (novamente, Dani Parejo cobrou e Guaita defendeu). Apenas cinco minutos depois, Arambarri voltou a derrubar um jogador – Martín Montoya – e levou o segundo amarelo, sendo expulso de campo.

Ainda assim, o Getafe se segurou na defesa. E já no segundo tempo, numa das raras tentativas ofensivas, conseguiu o gol da surpresa, aos 21 minutos. Markel Bergara arriscou o chute, a bola desviou em Gabriel Paulista e tirou qualquer chance de defesa que Neto pudesse ter.

Depois, obviamente, o Valencia buscou o quanto pôde pelo gol de empate. Nos minutos finais, sitiou a área de defesa adversária, e Simone Zaza até teve oportunidade para igualar, num cabeceio aos 48. Só que o Getafe teve o esforço premiado com a vitória que terminou com a invencibilidade do adversário – e manteve igual a situação do Barcelona.
Na verdade, até melhor: ao invés de quatro, são cinco pontos de vantagem agora.