O Bayern de Munique vive inspiradíssima. Dos últimos 24 jogos que fez, venceu 23 e empatou um. É o time a ser batido no Mundial de Clubes. Porém, não são apenas os adversários dos bávaros que têm o que temer no Marrocos. Pep Guardiola e companhia também possuem seus motivos de preocupação. E um dos maiores veio à tona neste domingo, na rodada do Brasileirão: Ronaldinho Gaúcho está de volta, tinindo para liderar o Atlético Mineiro.

O camisa 10 não entrava em campo desde setembro, quando se lesionou em partida contra o Vasco. Desde então, a dúvida sobre suas condições físicas no Mundial perduravam, já que sua recuperação só estaria completa em dezembro. Chegado o momento decisivo, Ronaldinho voltou a ser titular. E anotou os dois gols no empate por 2 a 2 contra o Vitória, último teste do Galo antes de encarar Monterrey, Auckland City ou Raja Casablanca na semifinal do Mundial.

Para diminuir a diferença no placar, Ronaldinho anotou um gol magistral de falta, daquelas que são sua especialidade. Já no final, ainda converteria o pênalti que fechou o placar. E, que fique claro, o camisa 10 foi bem mais do que isso em campo. Foi o jogador do Atlético que mais participou do jogo, acionado 86 vezes, e também o que mais criou chances, com quatro finalizações e quatro passes para chutes dos companheiros.

É óbvio que, caso Bayern e Atlético façam mesmo a final, a exigência sobre Ronaldinho será incomparável. Mas, nesse primeiro teste desde a recuperação, o craque já demonstrou sua vontade e a qualidade inegável.