A contratação de Kylie Mbappé pelo Paris Saint-Germain causou polêmica por ser um empréstimo com opção de compra de € 180 milhões, uma clara manobra para o valor ser debitado das finanças apenas no próximo ano fiscal e escapar do Fair Play Financeiro. Mas e se um jogador aluga um clube? Sim, aconteceu. Ari, atacante do Lokomotiv Moscou, alugou o Uniclinic, clube da primeira divisão do Ceará. O empréstimo é por três anos e ele tem opção de compra ao final do contrato. Sua empresa passará a gerir o clube cearense. A informação é do jornal O Povo.

LEIA TAMBÉM: Sábado de drama na Série C: Confiança se classifica e Botafogo-PB se salva do rebaixamento

Aos 31 anos, Ari é natural de Fortaleza, no Ceará. Se formou nas categorias de base do Leão do Pici, estreando no profissional em 2005. Ficou pouco tempo por lá. Em 2006, foi para o Kalmar, da Suécia, onde ficou até 2007. De lá, foi para o AZ, da Holanda e, em 2010, chegou ao Spartak Moscou e ficou até 2013. Foi para o Krasnodar em 2013 e, em 2017, foi emprestado ao Lokomotiv Moscou. Tem uma carreira feita no exterior, embora tenha começado sendo campeão cearense pelo Fortaleza.

Ari já tinha demonstrado interesse em comprar o Uniclic ou fazer uma parceria, no começo de agosto, segundo O Povo noticiou. O comunicado sobre o acerto foi feito pela administração do Uniclinic. Em dificuldades financeiras, o clube abriu mão de disputar a Série D do Campeonato Brasileiro, mesmo com a ajuda de custo que a CBF dá para transporte e alimentação. A partir do negócio fechado, a empresa de Ari, Arigooll, passa a fazer a gestão do Centro de Treinamento do clube.

Segundo o próprio Ari revelou em entrevista ao jornal O Povo, ele está negociando com o proprietário do Uniclinic, Vanor Cruz, desde dezembro de 2016. O jogador quer focar na disputa da Copa do Nordeste sub-20, que acontece entre novembro e dezembro. O jogador diz que a ideia não é ter lucro com o investimento e sim dar oportunidade a garotos da cidade.

Fundado em 1997, o Uniclinic foi idealizado por Vanor Cruz, que é médico e dono do Hospital das Clínicas do Ceará – Uniclinic, e torcedor do Fortaleza, do qual inclusive é conselheiro. Vice-campeão cearense em 2016, se classificou à Copa do Nordeste de 2017, mas acabou eliminado na fase de grupos.

Em 2012, Vanor Cruz já tinha colocado o clube à venda por decepção com o futebol. A venda acabou não acontecendo, o clube acabou rebaixado e chegou a estar na terceira divisão cearense. Voltou à primeira divisão do estado e acabou com o vice-campeonato cearense em 2016.

O próprio jornal O Povo já noticiou que o jogador gostaria inclusive de mudar o nome do clube, uma operação que é possível. Se mudar o CNPJ, porém, o clube perde a vaga na primeira divisão do Campeonato Cearense e teria que começar na base da pirâmide do futebol do estado, a terceira divisão.