O sorteio da Copa do Mundo mudou bastante ao longo das últimas décadas. Até meados dos anos 1980, parecia mais um programa da Tele Sena, em que Sepp Blatter fazia as vezes de Sílvio Santos – e, por vezes, cometendo erros vergonhosos, que quase comprometiam a coisa toda. Para o Mundial de 1990, o evento já teve uma cara um pouco mais midiática, com a participação de astros do porte de Luciano Pavarotti e Sophia Loren. Mas nada se compara ao que aconteceu quatro anos depois. O divisor de águas para o chaveamento da Copa se sucedeu em Las Vegas, rumo à competição que seria disputada nos Estados Unidos.

VEJA TAMBÉM: E se, como em 98, a Fifa fizesse um Europa x Resto do Mundo antes do sorteio da Copa?

O sorteio da Copa de 1994 tinha um peso além. Afinal, era preciso atrair o interesse dos americanos, considerando que grande parcela da população sequer sabia que o evento aconteceria no país dentro de alguns meses. E as dificuldades para a organização eram maiores do que se pensava. Por conta de disputas políticas, João Havelange vetou a presença de Pelé no palco, o rosto mais conhecido do ‘soccer’ entre os ianques. A solução encontrada? Transformar a noite em um grande espetáculo.

A cerimônia em Las Vegas 90 minutos. Contou com diversas apresentações musicais, incluindo James Brown, Stevie Wonder, Willie Nelson, Barry Manilow e Julio Iglesias. Mesmo os astros diretamente ligados ao futebol, como Elton John e Rod Stewart, apareceram em gravações. Hollywood também foi acionada, com a presença de Jeff Bridges, Faye Dunaway e Jessica Lange. Até mesmo esportistas de sucesso compareceram, como Mario Andretti, Mary Lou Retton, Evander Holyfield e Michelle Akers. Mas ninguém roubou a cena como Robin Williams, escolhido para sortear o Pote 4, justamente o menos interessante e quando todos os espectadores estavam estafados.

O comediante atraiu a audiência e arrancou gargalhadas. Blatter, então secretário-geral da Fifa, comandava o sorteio e até pareceu minimamente simpático ao lado de Williams. Mas não deixou de ser motivo de chacota, chamado de ‘Mr. Bladder’ – ou Senhor Bexiga, um trocadilho pela sonoridade do nome do órgão em inglês. “É ótimo conhecer você, depois de todos estes anos te sentindo. Você está cheio, eu imagino”, brincou o ator. Certa feita, o suíço até se irritou um pouco e disse: “Isso não é uma comédia”. Nada que estragasse o bom humor do gênio do cinema, que comandou tudo com uma luva cirúrgica. Certamente, alguns dos minutos mais divertidos da história do sorteio.

O vídeo está em inglês, mas não é preciso entender tudo para dar risada das graças de Robin Williams: