Motivação não faltava ao Real Madrid para o clássico contra o Atlético de Madrid, pela 31ª rodada do Campeonato Espanhol. Ganhá-lo significava não só se aproximar do rival citadino, mas também diminuir bastante as chances ainda restantes dele alcançar o líder Barcelona – e até dar sequência ao otimismo ganho com a vitória sobre a Juventus, na terça passada, pela Liga dos Campeões. Mas o Atleti justificou plenamente sua vice-liderança: foi perigoso nos contra-ataques, fez a defesa trabalhar, e até teve chances de vencer no Santiago Bernabéu. Ficou mesmo no placar o 1 a 1, deixando os barcelonistas ainda mais tranquilos na primeira colocação.

Rapidamente, os dois times começaram a criar chances de ataque no jogo. O que também levou ao rápido surgimento de um candidato a destaque: Jan Oblak. Aos 9 minutos, em cobrança de escanteio de Toni Kroos, a bola foi escorada por Sergio Ramos, de cabeça, e Cristiano Ronaldo completou na pequena área, mas o goleiro esloveno evitou o gol. Aos 28 minutos, Kroos cobrou falta, e Raphaël Varane ajeitou a bola na área após desvio de cabeça. Mas seu chute foi bem defendido por Oblak, que saiu do gol com rapidez.

Só aos 30 minutos houve uma possibilidade de ataque para os Colchoneros. E ela não deixou por menos em questão de perigo. Após desvio de cabeça no meio, Diego Costa ficou livre para continuar o contra-ataque. Chegou à área e chutou cruzado. Desta vez, Keylor Navas evitou o gol, fazendo sua primeira defesa importante no jogo. Ainda assim, o Real Madrid foi quem deu a estocada final: aos 42, Marcelo chutou na trave, e no rebote, Oblak ainda teve agilidade para defender o chute de Daniel Carvajal.

De tanto insistir, no segundo tempo o Real chegou ao primeiro gol. Que veio de quem sempre se espera, a partir de um cruzamento de Gareth Bale, aos oito minutos. A bola subiu por toda a área, até cair do lado oposto. Quem estava lá para finalizar? Cristiano Ronaldo. Como? De voleio. O final? O previsível: bola nas redes de Oblak, após quicar no gramado. 1 a 0, e o Atlético de Madrid voltou a partir para o ataque. Aos 12, Diego Costa apareceu na esquerda, chutou, Navas rebateu, e Saúl Ñíguez arrematou em cima da defesa.

Sem problemas: na chegada seguinte do Atleti, veio o empate. Thomas Partey deu a bola a Antoine Griezmann, e o francês já a deixou com Vitolo. Navas saiu do gol, e o camisa 23 tocou para trás na área. Coube a Griezmann concluir para o gol vazio, fazendo 1 a 1. Como se não bastasse, dois minutos depois, quase Koke fez os visitantes passarem à frente do placar no clássico. Após cruzamento mal rebatido por Daniel Carvajal, o camisa 6 do Atlético chutou para excelente defesa de Navas.

A partir de então, com algumas alterações (Karim Benzema no lugar de Cristiano Ronaldo, por exemplo), o ritmo do jogo caiu um pouco. Mas o Real continuou atacando – como aos 32 minutos, num cabeceio de Bale que saiu rente à trave direita. E Oblak continuou salvando – como na última possibilidade madridista, aos 44, em cobrança de Sergio Ramos espalmada pelo arqueiro da camisa 13. E o Real Madrid se frustrou – de certa forma, todavia, frustrando ao Atlético, 11 pontos atrás do Barcelona.