As cenas de intolerância são comuns nas arquibancadas da Itália. Gritos racistas, fascistas e de ódio parecem se tornar cada vez mais frequentes no país. Algo que precisa ser inibido pelas autoridades. Que, em contrapartida, várias vezes tomam atitudes questionáveis. Multas e punições quase sempre ineficazes, que não combatem as raízes do problema. Recentemente, decidiram encher as arquibancadas de crianças. Um passo para frente. E puniram a Juventus por causa dos palavrões gritados pelos meninos. Vinte para trás.

Neste domingo, mais um episódio dos erros das autoridades aconteceu no clássico entre Internazionale e Milan. Para evitar mensagens de intolerância, os responsáveis pela segurança exigiram ver o mosaico que os rossoneri iriam fazer nas arquibancadas. Os torcedores se recusaram por causa da chuva e a polícia proibiu o mosaico. Em solidariedade, a torcida da Inter também não montou sua coreografia. E, em consequência, os dois lados das arquibancadas preferiram se manter mais contidos, em protesto, como conta a boa matéria de Claudia Garcia, do Globo Esporte.

Não dá  para dizer que a atitude das autoridades foi errada, ainda que a maioria dos mosaicos sirvam apenas para ressaltar a paixão de uma torcida por seu clube. Os italianos precisam mesmo investir em prevenção, seja qual for o histórico da torcida – a própria Inter foi multada por ofensas racistas contra Balotelli no último clássico. O problema maior é a forma como a ação foi executada. Segundo os relatos, a polícia foi intransigente e só fez a solicitação aos milanistas pouco antes do jogo. Independente de quem diga a verdade, o fato é que houve falta de comunicação. E o grande prejudicado foi o espetáculo.

Abaixo, um vídeo com os mosaicos feitos em um clássico de 2012. Cenas do passado, pelo menos por enquanto: