Porto Alegre se tornou uma cidade monocromática neste final de semana. O vermelho tomou casas, prédios, ruas. Mais especificamente, um gigante às margens do Guaíba. Ainda que sejam os responsáveis por uma das rivalidades mais ferrenhas do Brasil, até os gremistas souberam respeitar que aquele momento era dos colorados. A volta do Internacional ao seu lar. O Beira-Rio teve sua reinauguração oficial nos últimos dois dias. E com uma exaltação a sua tradição que nenhum outro estádio da Copa de 2014 havia conseguido.

>>> Atrasos nas obras prejudicou inaugurações dos estádios da Copa

O fato de ser um patrimônio particular do Inter contribuiu para essa glorificação. Embora o time já tivesse disputado duas partidas no estádio, esta foi o retorno de verdade. Com arquibancadas lotadas e toda a festa que se merecia. O jogo contra o Peñarol pode não ter a relevância de um Brasil x Inglaterra ou de um Atlético Mineiro x Cruzeiro, que reabriram Maracanã x Mineirão; ou mesmo os craques que tinha o Benfica de Eusébio, que inaugurou o estádio 45 anos atrás. Ainda assim, era um adversário de camisa pesada, tradição sul-americana. O suficiente para continuar o espetáculo que começara no sábado.

Pois o show que o Inter preparou na noite anterior foi a grande sacada nessa volta triunfante. Um evento para relembrar a história do clube e seus grandes ídolos. Para celebrá-los, como aconteceu com Paulo Roberto Falcão, parte da peça montada no estádio. Foi uma verdadeira festa de gala, que teve seu grand finale com a vitória sobre o Peñarol. A honra de marcar o primeiro gol no novo estádio já tinha sido de Fabrício. Entretanto, certamente o golaço de D’Alessandro cobrando falta, que abriu o triunfo por 2 a 1, ficará bem mais gravado na memória dos colorados. Assim como a comemoração emocionada do ídolo.

E, tanto quanto pelo espetáculo e pelo jogo, a grandeza do final de semana do Internacional foi construído principalmente pela torcida. Os relatos dos amigos de Porto Alegre (não apenas colorados) são de uma atmosfera diferente. Desde os voos e os ônibus chegando à cidade ao que se vivia nas ruas. Era o orgulho de poder retornar ao velho templo e professar a religião da melhor maneira: torcendo.

A partir deste domingo, o Beira-Rio volta a ser o ponto de encontro dos colorados. Já com sua principal cerimônia nos próximos dias, o Gre-Nal da decisão do Campeonato Gaúcho – ainda que não haja confirmação oficial. Se a rivalidade entre Internacional e Grêmio é tão grande, isso só é possível pela fé que move seus torcedores. Tão grandiosa quanto os estádios que eternizarão essa história pelos próximos anos. O Gigante da Beira-Rio está de volta.