Não houve drama maior na Bundesliga do que o vivido pelo Hamburgo. O único clube que disputou as 51 edições da competição corria sérios riscos de ser rebaixado pela primeira vez. Flertou com a degola desde as primeiras rodadas e só evitou o pior (ou seja, a queda direta) porque conseguiu uma vitória no confronto direto contra o Nürnberg em um de seus últimos jogos. As cinco derrotas nas últimas cinco rodadas, no entanto, acabaram empurrando os Dinossauros para os playoffs contra o rebaixamento. Do qual se salvaram, em enorme alívio.

>>> O único clube onipresente em 51 anos de Bundesliga está à beira do abismo

O primeiro duelo contra o Greuther Fürth, terceiro colocado na segunda divisão, havia acontecido no meio da semana. Empate por 0 a 0 na Imtech Arena, que dava ao Hamburgo a vantagem do empate com gols na Baviera, mas o enorme risco de pegar um adversário embalado dentro de sua casa. Afinal, o Fürth estava na elite até a temporada passada e estava motivado para conquistar o acesso no mesmo ano em que seu rival, o Nürnberg, caiu.

Porém, a sorte brilhou ao Hamburgo logo nos primeiros minutos. Pierre-Michel Lasogga aproveitou um escanteio cobrado por Rafael van der Vaart para abrir o placar no início da partida. Tranquilidade garantida com o empate. Ou nem tanto. Principalmente a partir do segundo tempo, o Fürth partiu para a pressão. Fürstner empatou aos 14 minutos e os bávaros começaram a rondar a meta dos visitantes. Entre as defesas do goleiro Jaroslav Drobny, a falta de pontaria dos anfitriões e o clamor da torcida, o Hamburgo passou sufoco até o último segundo. Segurou o resultado, ao menos, que trouxe o alívio da permanência na elite.

Olhando no papel, o elenco do Hamburgo não é tão ruim. No entanto, a equipe é extremamente acomodada, além de dar brechas demais na defesa. E o técnico Mirko Slomka não foi bem em sua missão de dar um jeito no time, apesar de ter evitado o rebaixamento. Os Dinossauros têm boas peças para se reconstruir, como Lasogga e Çalhanoglu. A questão maior é mudar a soberba de um time que sempre entra na Bundesliga querendo as competições europeias, tem forças apenas para o meio de tabela e acaba lutando contra o rebaixamento. A história, ao menos, está preservada. Só precisa de uma mudança geral para começar a fazer jus a ela.