A Argentina era favorita naquela final. Marcelo Bielsa convocou o elenco principal para disputar a Copa América de 2004, embora a base fosse bastante jovem. Já o Brasil contava com seu segundo elenco, cheio de gente que ainda buscava seu espaço com Carlos Alberto Parreira. No dia 25 de julho de 2004, o Estádio Nacional de Lima recebeu uma partida memorável, sobretudo para os brasileiros. E que, em tempos de 7 a 1, serve para resgatar um pouco do brio.

Kily González e Luisão fizeram os gols no primeiro tempo. Aos 42 do segundo, César Delgado ia dando o título para a Argentina. Os jogadores da Albiceleste começaram a prender a bola e até a abusar das gracinhas na beira do campo. Os brasileiros já pareciam conformados quando, no último instante, Adriano dominou na área e estufou as redes de Abbondanzieri. O gol do empate por 2 a 2, de um momento que é difícil de apagar da memória. Nos pênaltis, Júlio César ajudou a garantir o título. E a Seleção triunfava em uma das decisões mais insanas de sua história. Um épico para se relembrar sempre.

Abaixo, as escalações e os minutos finais da partida. Atenção à narração do Galvão:

Brasil: Júlio César, Maicon, Juan, Luisão (Cris), Juan e Gustavo Nery; Renato, Edu, Kleberson (Diego) e Alex (Felipe); Adriano e Luís Fabiano. Técnico: Carlos Alberto Parreira.

Argentina: Abbondanzieri, Coloccini, Ayala e Heinze; Zanetti, Mascherano, Lucho González (D’Alessandro) e Sorín; Kily González, Rosales (Delgado) e Tevez (Quiroga). Técnico: Marcelo Bielsa.