Ao longo dos últimos anos, o Lyon se firmou como um dos principais desafiantes do Paris Saint-Germain na Ligue 1. Não conseguiu quebrar a sequência de títulos, como o Monaco, mas conquistou algumas vitórias e tantas vezes deu trabalho aos parisienses. A diferença no investimento é gritante, assim como a política de contratações se difere bastante. Mesmo assim, os Gones fizeram grande partida no Parc des Princes neste domingo. Só não foram felizes ao final. Criaram chances e poderiam muito bem ter saído com a vitória, mas dois gols contra deram o triunfo por 2 a 0 ao PSG. Uma noite que mostrou que nem tudo são flores no elenco de Unai Emery, não apenas pelas dificuldades, como também pelos desentendimentos entre Neymar e Edinson Cavani.

Desde os primeiros minutos, o tabuleiro se abriu no Parc des Princes e deixou claro qual seria o cenário. O PSG tentava se impor no campo de ataque e trabalhava a posse. O Lyon se fechava muito bem e buscava os contra-ataques. Contando com um trio formado por Neymar, Julian Draxler e Kylian Mbappé, os anfitriões não conseguiam criar ocasiões. Faltava espaço para finalizar. Enquanto isso, os Gones tiveram a primeira chance concreta aos sete minutos, com Memphis Depay, em chute que Alphonse Aréola conseguiu defender com segurança.

Neymar chamava a responsabilidade, mas via a marcação dobrar quando tinha a bola. Até deu um susto em Anthony Lopes, quando quase marcou um gol olímpico, mas parou em boa defesa do goleiro. No mais, o PSG era um tanto quanto improdutivo. Os laterais subiam bastante ao campo de ataque, tentando forçar os defensores do Lyon, sem quebrar a solidez dos visitantes. Além disso, os contragolpes surgiam com certa frequência do outro lado, especialmente na reta final do primeiro tempo, deixando a defesa parisiense em apuros. Faltava aos Gones caprichar um pouco mais nos arremates.

Apesar de um bom lance de Fekir nos primeiros minutos, o PSG voltou pressionando ainda mais no segundo tempo, com o time posicionado inteiramente no campo de ataque. E, aos 11, aconteceu o primeiro atrito entre Neymar e Cavani. Em uma falta perigosa sobre o brasileiro que o uruguaio pegou para bater, Daniel Alves interveio e passou a bola para o camisa 10. Neymar chutou com firmeza no canto do goleiro, parando em defesaça de Anthony Lopes. Era o melhor momento do time da casa, especialmente pela fluidez nas pontas. Faltava que Cavani e Draxler aparecessem um pouco mais.

O Lyon ainda responderia, com dois lances claríssimos de gol em sequência, aos 20 minutos. Primeiro, após cobrança de escanteio, Kenny Tete cabeceou e Thiago Silva afastou na pequena área, quando Marcelo estava pronto para completar às redes. Depois, Tanguy Ndombele soltou o pé da intermediária e a bola explodiu no travessão. O volante, aliás, tinha uma boa atuação ao lado de Lucas Tousart na cabeça de área. E ainda haveria uma cabeçada de Marcelo, após falta cobrada na entrada da área, que Aréola agarrou. Os Gones lamentariam bastante as jogadas, tomando o primeiro gol logo na sequência.

Unai Emery veio com duas mudanças aos 26 minutos. E a entrada de Giovanni Lo Celso no lugar de Draxler foi providencial. Em jogada na ponta esquerda, o prodígio argentino deu uma linda finta no marcador, antes de cruzar. Cavani com a parte de fora do pé e a bola ainda bateu em Marcelo, antes de finalmente vencer Anthony Lopes, aos 29 minutos. Naquele momento, o jogo ruiu para o Lyon. Aos 32, Mbappé sofreu pênalti. Cavani e Neymar se desentenderam mais uma vez na cobrança, com o uruguaio sem ceder. Contudo, seu chute forte acabou brilhantemente espalmado por Anthony Lopes, ainda batendo no travessão antes de ser neutralizado.

O veloz ataque do Lyon sentia o peso das pernas e a entrada de Maxwel Cornet pouco fez efeito. Assim, caberia ao PSG fechar a conta aos 41 minutos. Neymar deu uma excelente enfiada de bola para Mbappé, que foi inteligente na movimentação. O camisa 29 chutou na saída de Anthony Lopes e parou no goleiro, mas a bola bateu em Jérémy Morel antes de entrar. Mais um gol contra frustrava os visitantes. Apesar do plano de jogo muito bem delineado, que segurou os parisienses por 75 minutos, a infelicidade preponderou.

Com a vitória, o PSG mantém os 100% de aproveitamento na Ligue 1. Chega aos 18 pontos, três a mais que o Monaco, que vencera o Strasbourg no sábado. Pela qualidade que Unai Emery conta em seu elenco, a tendência é que muitos triunfos venham por osmose, mesmo quando o time não jogue tão bem – como aconteceu neste domingo. Uma pena para o Lyon, que tinha capacidade para ter feito mais, mas volta com a derrota na bagagem. Com o primeiro revés na competição, os Gones caem para o quinto lugar, com 11 pontos.