O Orlando City estreará na Major League Soccer apenas na próxima temporada. Mesmo assim, o clube da Flórida já precisou tomar posições duras contra a sua torcida. Os Leões, que foram fundados em 2010 e disputavam ligas menores dos Estados Unidos, têm dois grupos principais de torcedores organizados. E, depois de uma confusão causada em amistoso contra o Tampa Bay Rowdies, o Orlando City tomou uma medida enérgica para punir os causadores do problema.

LEIA MAIS: A vida do torcedor brasileiro após a Copa do Mundo

Quatro torcedores alvirroxos já estão banidos para próxima temporada, enquanto outros 11 receberam punições parciais. A polícia precisou entrar em ação depois que dois grupos de torcidas organizadas do Orlando colocaram faixas homofóbicas contra os rivais nas arquibancadas, enquanto também ocorreram agressões físicas. Os quatro suspensos pelo clube tinham sido presos na ocasião.

Para tentar controlar os organizados, o Orlando City tentou se reunir com os dois principais grupos. Um deles aceitou o Código de Conduta do Torcedor da MLS, enquanto outra facção não compareceu ao encontro com a diretoria e, por enquanto, não é reconhecida oficialmente pelo clube. Em consequência, não poderá levar instrumentos e faixas para dentro do estádio.

Além disso, o clube planeja a criação de um “conselho de torcedores”, aberto a discutir e a estabelecer os limites nas arquibancadas em Orlando. Presidente do clube, Phil Rawlins afirma que a iniciativa é inspirada nos tempos em que fazia parte da diretoria do Stoke City: “Certamente isso ajudou bastante e deu uma grande voz aos torcedores para darem as suas opiniões e receberem os seus retornos”.

A história do Orlando City pode ser curtíssima. Mas, pelo menos neste começo, o clube já demonstra sua capacidade de interpretar o futebol atual: pune os intolerantes e ouve quem vai ao estádio para torcer. Uma relação de respeito se constrói assim.

A dica do fato envolvendo o Orlando City foi do leitor @Dr_Glauco. Valeu!