Louis van Gaal mal teve tempo para curtir férias. No máximo, pôde aproveitar o Brasil durante a Copa do Mundo. Porque, uma semana depois de deixar o comando da Holanda, o técnico já está de volta ao trabalho. E para um desafio enorme. Depois da errante temporada de David Moyes, o holandês chega para provocar uma transformação no Manchester United. Terá todo o apoio do clube para fazer com que a sombra de Sir Alex Ferguson fique ainda mais para trás.

LEIA MAIS: Mesmo em baixa, United assina o maior contrato esportivo da história

Van Gaal chega respaldado pelo ótimo trabalho com a Holanda no Mundial. Por mais que a Oranje não tenha encantado a todo momento, foi uma equipe muito bem montada. Prova disso é o próprio resultado, com os holandeses indo muito além do que se previa para a sua seleção. Além disso, Van Gaal chegou a Old Trafford querendo passar uma ótima impressão aos seus novos comandados. Se um dos problemas de Moyes foi a crise interna, o novo treinador já tratou de afagar seus jogadores. O abraço em Rooney e as brincadeiras com Phil Jones logo na chegada, com os quais nunca trabalhou, são sinais disso.

Além de tudo, Van Gaal tem carta branca para gastar. Se o Manchester United possui uma das marcas mais fortes do futebol, vai mostrar isso no mercado. O vice-presidente executivo dos Red Devils, Ed Woodward, deu carta branca para que os Red Devils invistam bastante para reforçar o time. Disse até mesmo que quebrar o recorde de transferência mais cara do mundo não será problema, ainda que essa não seja a questão.

“É difícil lidar com hipóteses baseadas em muitas coisas diferentes. A realidade é que não temos medo de gastar quantidades significativas de dinheiro no mercado de transferências. Se vai ser o recorde ou não, é o de menos para a gente. O que importa é um jogador de elite que o treinador queira e que se torne uma estrela para o Manchester United”, afirmou Woodward.

_76474032_vangaal-getty452550066

O United já desembolsou € 78 milhões para trazer o lateral Luke Shaw e o meia Ander Herrera. Por outro lado, as principais perdas foram Patrice Evra, Nemanja Vidic, Rio Ferdinand e Ryan Giggs – todos simbólicos no último ciclo vencedor com Ferguson. Para seguir montando um elenco competitivo, os Red Devils deverão gastar um pouco mais. E, entre os nomes especulados atualmente, estão Daley Blind, Stefan de Vrij, Kevin Strootman, Thomas Vermaelen e Ángel Di María.

Mesmo reafirmando o poder de mercado do United para trazer quem quiser, Woodward respalda Van Gaal para a decisão final: “Vocês pensam sobre o dinheiro de uma forma que eu não faço. Eu olho para a direção em que o técnico me apontou e há uma avaliação de quanto vai custar, vou negociar ao máximo para fechar o melhor acordo. Eu mantenho o que disse: não há orçamento. Estamos em uma posição financeira muito forte. Podemos fazer grandes contratações. Observamos muitos jogadores nos últimos anos. Louis é quem toma a decisão final sobre o que ele quer no time. Eu não vou forçá-lo a nada”.

É lógico que Woodward está jogando para a torcida com essas declarações e talvez o recorde de transferências não seja quebrado. No entanto, Van Gaal tem sinal verde para dirigir o Manchester United. O clube aposta alto em um técnico experiente, com ótimo currículo. É o caminho escolhido para esquecer o planejamento de longo prazo (e mal sucedido) que previam quando trouxeram Moyes. Van Gaal não ficará 26 anos no comando do clube. Mas, para os Red Devils, é quem vai repensar os rumos da equipe para que ela volta a ser dominante. E com o cheque em branco para isso.