James e Cuadrado, a dupla mais prolífica da Copa

[Balanço] Os dez jogadores que mais se valorizaram na Copa

Copa do Mundo é o grande palco para os principais craques do planeta se estabelecerem de vez e talvez até escreverem seus nomes na história do futebol. Messi, por exemplo, teve uma bola cara a cara com Neuer no começo do segundo tempo da final e também uma cobrança de falta nos minutos finais do tempo extra. Dois lances que poderiam ter servido para que o camisa 10 dissesse: “Sim, eu carreguei a Argentina ao título de uma Copa”. Não conseguiu.

No outro extremo, tem jogador que nunca foi tão reconhecido e, em um período curto, de apenas quatro jogos, por exemplo, consegue mudar completamente de patamar, passando até a ser valorizado nas manchetes de especulações de transferência, ou então aqueles que eram apenas elogiados pelas críticas especializadas durante a temporada europeia e agora deixam o Brasil como alvos de gigantes do Velho Continente.

VEJA TAMBÉM: Sem Oscar e Thiago Silva (viu, Fifa?), montamos nossa seleção da Copa

Reunimos aqui os dez jogadores que melhor deram esse salto de nível e agora são observados de maneira diferente tanto por torcedores quanto por potenciais futuros clubes.

Guillermo Ochoa (México)

Goleiro, Ajaccio-FRA, 29 anos

Ochoa prestes a fazer um de seus milagres (AP Photo/Eduardo Verdugo)

Ochoa prestes a fazer um de seus milagres (AP Photo/Eduardo Verdugo)

Ochoa sempre foi um bom goleiro, e quem viu sua temporada no Ajaccio já conhecia seu potencial de segurar um 0 a 0. Mas nada como a atuação que o arqueiro teve no empate sem gols com o Brasil, na segunda rodada da fase de grupos, para alavancar de vez a carreira de Memo Ochoa. Seu contrato com o time francês já se encerrou, e a fila de interessados no goleiro não é pequena: Liverpool, Arsenal, Atlético de Madrid e Monaco são alguns dos nomes já ventilados como destinos em potencial para o jogador.

Marcos Rojo (Argentina)

Lateral esquerdo, Sporting-POR, 24 anos

Antes da Copa, Marcos Rojo era visto por torcedores e jornalistas argentinos como o grande calcanhar de aquiles da criticada defesa argentina. Sete jogos depois, no entanto, as avaliações sobre o lateral esquerdo são até mesmo de que ele foi o melhor de sua posição no Mundial. Nós, da Trivela, escolhemos Blind para essa vaga, mas é completamente defensável o argumento de que Rojo mereça o posto. O jogador teve uma campanha brilhante defensivamente, sendo essencial para que o setor da Albiceleste fosse vazado apenas quatro vezes em todo o Mundial.

Charles Aránguiz (Chile)

Volante, Internacional-BRA, 25 anos

O torcedor do Internacional aprendeu rapidamente a adorar Aránguiz em seu primeiro semestre no Rio Grande do Sul, mas talvez nem mesmo os colorados esperavam que o volante fosse tão bem nesta Copa. Mesmo em um torneio do tamanho do Mundial, o jogador não se escondeu e foi um dos protagonistas da forte seleção chilena, com destaque para sua atuação contra a então atual campeã Espanha, quando deu uma assistência e marcou um dos gols na vitória por 2 a 0 no Maracanã. Ainda durante o torneio, foi noticiado um suposto interesse do Chelsea. Bom para o Inter que o contratou de maneira definitiva antes da Copa e agora vê seu jogador valorizado.

Ron Vlaar (Holanda)

Zagueiro, Aston Villa-ING, 29 anos

Vlaar disputa com Sánchez (AP Photo/Thanassis Stavrakis)

Vlaar disputa com Sánchez (AP Photo/Thanassis Stavrakis)

Ron Vlaar nunca foi espetacular, e o fato de estar há dois anos no fraco Aston Villa sem despertar interesse de nenhum time mais forte prova isso. No entanto, o salto de nível do jogador durante o Mundial foi quase tão grande quanto o de Rojo. Considerado por muita gente, inclusive nós, um dos melhores zagueiros da Copa, Vlaar sai do Brasil certamente em outro patamar. Talvez não pare em um gigante europeu por já não ser mais nenhum garoto, mas, se dependesse apenas de sua atuação pela Holanda no último mês, seria um ótimo nome para qualquer equipe.

James Rodríguez (Colômbia)

Meio-campista, Monaco-FRA, 22 anos

James Rodríguez já era muito bem visto desde sua passagem pelo Porto, e não à toa o Monaco desembolsou € 45 milhões em sua contratação no início da temporada passada. Agora, no entanto, o colombiano chega a um nível completamente diferente. Em uma Colômbia que não contou com seu principal jogador, James chamou a responsabilidade, mesmo tão jovem, e deixou a Copa como uma das grandes estrelas do torneio, além de ter levado a Chuteira de Ouro, pelos seis gols que lhe garantiram a artilharia. Publicamente, já declarou seu sonho de defender o Real Madrid, e não duvide que acabe saindo uma proposta megalomaníaca do Santiago Bernabéu para contar com o jogador.

Keylor Navas (Costa Rica)

Goleiro, Levante-ESP, 27 anos

Mesmo com a concorrência de uma campanha incrível de Thibaut Courtois, Keylor Navas foi eleito o melhor goleiro do último Campeonato Espanhol, coisa que o deixaria bastante visado na Copa, não é mesmo? Nada disso. O costarriquenho teve de provar nos campos sua qualidade e acabou até superando suas atuações pelo Levante. Agora, é alvo de gigantes do futebol europeu, como Real Madrid e Bayern de Munique, além de outras equipes. Melhor goleiro do Mundial para nós, da Trivela, Navas bem que poderia ser o novo camisa 1 dos blancos. Afinal, para que os bávaros vão querer um arqueiro do nível dele já contando com Neuer, não é mesmo?

Fabian Johnson (Estados Unidos)

Lateral direito, Hoffenheim-ALE, 26 anos

Fabian Johnson em lance com Raul Meireles (AP Photo/Themba Hadebe)

Fabian Johnson em lance com Raul Meireles (AP Photo/Themba Hadebe)

A campanha dos Estados Unidos na Copa foi muito boa e cativou como nunca o torcedor ianque no futebol. E, se é para destacar individualmente o nome que mais surpreendeu na seleção americana, não tem como não ser o de Fabian Johnson. Outros atletas, como Bradley, Jones e Dempsey, por exemplo, foram bem, é verdade, mas deles já se esperava alguma coisa. Agora quem diria que Johnson seria um dos melhores laterais direitos da competição? Seu apoio fulminante no ataque, sobretudo no jogo contra Portugal, o fez ser notado pelo mundo como ainda não havia conseguido em sua carreira. Entretanto, como ainda em fevereiro o atleta acertou sua transferência do Hoffenheim para o Borussia Mönchengladbach, não espere vê-lo em algum time de maior expressão na Europa, pelo menos não tão cedo.

Daley Blind (Holanda)

Lateral esquerdo, Ajax, 24 anos

De importante peça do atual tetracampeão holandês, Blind saltou a melhor lateral esquerdo da Copa. Você pode até argumentar que Rojo foi melhor, mas não pode negar a ótima campanha feita pelo jogador da Oranje. Somente aquele lançamento para o gol de Van Persie foi suficiente para que o mundo o notasse como nunca havia feito antes, e a sequência de bons jogos, sobretudo defensivamente, com certeza o colocaram em um patamar diferente daquele em que estava quando chegou ao Brasil para a Copa.

Juan Cuadrado (Colômbia)

Meio-campista, Fiorentina-ITA, 26 anos

Cuadrado já havia dado trabalho ao Brasil em um amistoso disputado em 2012 e também foi notado por sua boa temporada na Fiorentina, mas nada disso se compara ao status que o jogador alcançou após sua participação na Copa. Já nas oitavas de final, o atleta havia chegado a quatro assistências na competição (número que o igualou a outros sul-americanos notáveis, como Tostão, Zico e Riquelme), além de suas próprias atuações, que, por si só, haviam sido destacáveis. Juventus, Barcelona e Arsenal já demonstraram querer contar com o jogador, que estaria mais próximo dos bianconeri.

Divock Origi (Bélgica)

Atacante, Lille-FRA, 19 anos

Alguns meses antes da Copa, Lukaku e Benteke brigavam pela vaga de centroavante titular da seleção belga. A contusão do segundo abriu então espaço para a convocação de Divock Origi. Com apenas 19 anos, o atacante, que sequer havia sido convocado anteriormente pelos Diabos Vermelhos, então entrou no lugar de Lukaku na estreia contra a Argélia e agradou. No segundo jogo, a mesma coisa. Até que Marc Wilmots percebeu o potencial do atleta – e a má fase de Lukaku -, e Origi terminou a competição como titular. Fez apenas um gol nos cinco jogos em que esteve, mas, de ilustre desconhecido para alvo quase certo do Liverpool, deu um salto significativo na carreira.