Cruz Azul e Toluca dão início nessa terça-feira a mais uma decisão da Liga dos Campeões da Concacaf, o principal torneio interclubes do futebol das Américas do Norte e Central. Uma decisão que reúne mais do que dois dos principais times do futebol mexicano, mas aqueles que mais se destacaram em 2014. Não somente pelo futebol exibido, pelos resultados obtidos ou talvez até pela mistura de ambos e por uma forte necessidade de título.

A Concachampions não é e nunca foi o principal foco dos clubes aztecas. Além do abismo técnico e financeiro que separam clubes de México e EUA dos demais, algo que torna a disputa pouco competitiva, existe a concorrência com a Libertadores, por vezes mais atrativa, de maior visibilidade e valorização. Ainda que essa mentalidade esteja mudando, motivada em grande parte pela vaga no Mundial de Clubes, é comum surgirem declarações de dirigentes e atletas diminuindo o peso de uma desclassificação no torneio continental em comparação a um possível título na Liga MX.

A novidade esse ano é que, além de alcançarem a decisão do principal torneio da Concacaf, Cruz Azul e Toluca sobram também no campeonato nacional. Se na Liga dos Campeões obtiveram a classificação na primeira fase como os únicos clubes com 100% de aproveitamento, Cementeros e Diablos também lideram o Clausura com boa margem para os demais concorrentes e são os únicos já garantidos na Liguilla.

Essa “gordura” conquistada na Primera División permitiu a ambos uma inédita preparação para a decisão continental. Além de chegar com força máxima para a final, o fato dos dois clubes conquistarem a excelente posição na Liga MX mesmo atuando com jogadores reservas em alguns momentos e poupando seus destaques para a Concachampions demonstra a força dos elencos e, principalmente, o bom momento dos clubes.

Se ainda não é possível afirmar que são os dois melhores times do futebol mexicano, as estatísticas ao menos apontam que foram aqueles que mais se destacaram. Fator importante para clubes que buscam voltar aos seus melhores dias.

Toluca e Cruz Azul vivem situação que guarda alguma semelhança, mas que precisa ser analisada em perspectiva. De próximo, a Máquina Azul amarga um jejum que entrou em seu 17º ano, enquanto os Choriceros fazem de tudo para provar que o fim do período dourado que levou o clube a dominar a primeira década do século ainda não chegou. Mesmo sem títulos importantes nos últimos três anos, as duas equipes não deixaram de marcar presença em decisões e estão sempre na briga pelo topo.

As diferenças, claro, estão na história dos dois clubes. Dono de uma das maiores torcidas do país, o clube da capital mexicana dominou a década de 1970 no futebol local. A fila vivida a partir 1997 coincide justamente com o período mais glorioso da equipe Escarlata, que conquistou sete dos seus dez títulos na elite azteca desde então (um deles, em 2008, superando os Celestes na decisão).

Diferenças significativas para equipes de fases e objetivos semelhantes. Se desdobrando com maestria entre Liga MX e Concachampions, Cruz Azul e Toluca chegam para a decisão da competição continental dispostos a voltar aos velhos tempos e ainda com a possibilidade de emendar a dobradinha no torneio nacional. Excelentes candidatos a uma taça que cansou de ser desvalorizada.

Curtas

México

- Seleção do site Mediotiempo da 15ª rodada do Clausura: Cirilo Saucedo (Tijuana), Óscar Rojas (Toluca), Pablo Aguilar (América), Miguel Martínez (Querétaro) e Miguel Layún (América); Diego de La Torre (Querétaro), Juan Pablo Rodríguez (Santos), Gabriel Velasco (Toluca) e Neri Cardozo (Monterrey); Enner Valencia (Pachuca) e Carlos Darwin Quintero (Santos); T: Antonio Mohamed (América);

Costa Rica

- Depois de ser eliminada da Concachampions no meio da semana, a Alajuelense foi derrotada de virada pelo Saprissa no Clásico del fútbol costarricense e viu os rivais dispararem na ponta do Campeonato de Verano da Primera Divisón, com 42 pontos em 19 jogos, graças também ao revés do Herediano para a UCR, que deixou os Florenses com 34. O time de Alajuela soma 32, enquanto a UCR fecha o G4, com 29;

El Salvador

- Com um triunfo mínimo sobre o vice-lanterna Águila no “Clásico Nacional”, o FAS recuperou-se da goleada para o Santa Tecla e manteve a liderança Clausura da Liga Mayor, com 29 pontos em 14 rodadas. Vice-líder com um jogo e três pontos a menos, o Isidro Metapán não passou de um empate em visita ao Atlético Marte, enquanto o Firpo foi superado em casa pelo Alianza no “Clásico Joven”, perdeu contato com o G4, estacionando nos 17 pontos e ainda viu o rival encostar, com 16.

Guatemala

- Com triunfos sobre Coatepeque e Heredia, o Xelajú do veterano brasileiro Israel Silva assumiu a ponta do Clausura da Liga Nacional, com 31 pontos em 19 jogos, um a mais que Universidad SC e Comunicaciones, que se enfrentaram na rodada, com vitória dos Albos. Já o Municipal empatou com o Halcones e é o sétimo;

- Xelajú, Universidad SC, Comunicaciones, Suchitepéquez, Coatepeque, Heredia, Municipal e Halcones ocupam hoje as oito posições que dão vaga na fase final do torneio;

Honduras

- Oimpia e Real Sociedad bateram Savio e Victoria, respectivamente, contaram com o tropeço do atual campeão Real España, que não passou de um empate frente ao Platense, e garantiram as vagas diretas para as semifinais com o primeiro e segundo lugares no Clausura da Liga Nacional. Na repescagem, o Real España enfrentará o Victoria, enquanto na outra perna Motagua e Marathón se enfrentam no “Clásico de las M’s”;

Panamá

- Em rodada de tropeço dos líderes, o Árabe Unido manteve a liderança do Clausura da Liga Panamenha com 27 pontos, após empate frente ao Alianza, que caiu para o quinto posto. Superado pelo Río Abajo, o Plaza Amador soma 25, enquanto o Chorrillo tem 24. Em recuperação, San Francisco e Tauro venceram seus duelos na rodada, mas ainda dividem a sétima posição, ambos com 18 pontos;

Jamaica

- Com quatro derrotas nos últimos cinco jogos, o Montego Bay enfim deixou a liderança da National Premier League. Waterhouse (53 pontos) e o atual campeão Harbour View (51) venceram seus duelos no fim de semana e ultrapassaram o “Seba”, que tem 48. O Arnette Gardens fecha o G4, com 45, enquanto o Tivoli Gardens, superado pelo líder no fim de semana, perdeu terreno na disputa, com 36 pontos. Já o Portmore é o vice-lanterna, com 32;

Trinidad & Tobago

- Uma goleada por 6×1 sobre o Police manteve a boa vantagem do W Connection na ponta da TT Pro League, com 45 pontos em 21 jogos. Sete a frente do vice-líder Central, que também goleou o Caledonia na rodada. O Defence Force é o quarto, com 35 pontos, enquanto o San Juan Jabloteh não passou de um empate contra o lanterna St. Ann’s Rangers e segue em penúltimo, com 12;

Nicarágua

- Em virtude do terremoto que deixou um morto e 33 feridos no país, a federação nicaraguense adiou o início da disputa das semifinais do Clausura da Liga Nacional para o próximo fim de semana. Atual heptacampeão, o Real Estelí pega o Managuá, enquanto Diriangén e Walter Ferretti se enfrentam na outra perna da disputa;

Cuba

- Com um triunfo mínimo sobre o lanterna Pinar del Río, o Ciego de Ávila segue na liderança do Campeonato Nacional, somando 25 pontos em 10 partidas. Com 21, Camagüey e o atual tricampeão Villa Clara dividem a segunda posição, ambos, porém, com um jogo a mais;

Haiti

- Com boa parte das partidas adiadas na rodada, o America dês Cayes segue na ponta da Digicel Première Division, com 13 pontos em 5 jogos, seguido pelo Baltimore, com 11. Atual campeão, o Mirebalais é o sexto, com 5 pontos, enquanto o Racing Club Haïtien, maior campeão nacional, jogou (e empatou) apenas uma partida e é o 10º. Quatro dos 16 clubes ainda não estrearam na competição.


3 respostas para “Os dois melhores mexicanos fazem uma decisão azteca na Concachampions”

  1. Fabrízio Michelon disse:

    Perguntinha: porque o Monterrey, tri-campeão, não participou da competição? O título não dá vaga automática?

    • Renan Barabanov De Assis disse:

      Não, Fabrizio. Na Concachampions, as vagas são dadas ao campeão e vice do Apertura e do Clausura da temporada anterior. O próprio Monterrey obteve a vaga dessa forma nesse período, a despeito dos títulos.

      Abs

  2. Fabricio Egidio disse:

    chega de times mexicanos, algum time da MLS tem que voltar a ganhar esse caneco…

Deixe uma resposta