Spain Soccer La Liga

Os guerreiros do Atlético suaram sangue para superar a última batalha e se sagrarem campeões

Foi uma temporada heroica. Não há predicado melhor para definir a façanha do Atlético de Madrid, campeão espanhol pela décima vez, a primeira em 18 anos. O exército de Diego Simeone enfrentou 38 batalhas para, enfim, vencer a guerra. O batalhão era limitado, e isso estava claro desde o início. Os rojiblancos conseguiram se superar na base da entrega, do suor, do sangue. Nem mesmo a perda de dois de seus comandantes em campo derrubou o time no épico decisivo. Cambaleante, o Atleti arrancou o sofrido empate por 1 a 1 contra o Barcelona, diante de 97 mil olhares atônitos no Camp Nou. Colocou a medalha no peito e volta para uma grande festa em Madri. Sua missão está cumprida.

>>> Há 18 anos, o Atlético já tinha conquistado feito parecido no Camp Nou

Diego Simeone nunca escondeu que, para ele, o Campeonato Espanhol tem um valor mais especial até do que a Liga dos Campeões. O glamour e a importância podem não ser tão grandes quanto no torneio europeu, mas o prêmio pelo esforço é bem maior. O Atlético precisou atravessar um ano inteiro com regularidade, mantendo um aproveitamento espetacular, para poder se consagrar. Nem mesmo os tropeços contra Levante e Málaga atrapalharam o triunfo dos colchoneros. Méritos de um time marcado pela superação a cada partida, contra um rival que teve uma campanha bem mais destacada pela queda de nível.

Spain Soccer La Liga

Apesar dos jogos muito abaixo do que seu elenco pode fazer, o Barcelona chegou à rodada final com chances de título. E o Atleti tinha plenas consciências disso. Enfrentava um adversário que não convenceu o suficiente, mas que mesmo assim tinha muito talento à disposição para arrancar a vitória decisiva. Aos rojiblancos, restava crescer contra os blaugranas dentro do Camp Nou. Não seria o mosaico enorme feito pela torcida catalã ou a presença de Messi do outro lado que os intimidaria.

A vantagem do empate não fez Simeone escalar uma equipe mais defensiva para a ocasião. Seu time já tinha sido bom o suficiente para não perder do Barça nos cinco jogos anteriores que fizeram na temporada. Durante os primeiros minutos de partida, a tensão era evidente, ainda que o Atleti equilibrasse as ações no ataque, tentando o gol que lhe desse tranquilidade. Contudo, recebeu duros golpes nos primeiros 22 minutos.

>>> Duvidar dos 300 de Arda “Leônidas” Turan e Simeone é impossível
>>> A temporada de Diego Costa já é tão boa quanto a melhor de Falcao pelo Atlético

Primeiro, foi Diego Costa quem sentiu. De volta ao time justamente para este jogo, o artilheiro se machucou sozinho, sentindo a coxa ao correr. Caiu no gramado e foi substituído, aos prantos no banco de reservas. Pouco depois, o Atlético perdeu outro protagonista. Arda Turan também se lesionou e as lágrimas caíram antes mesmo de sair de campo. No banco, Simeone mostrava a cara de preocupação, enquanto os torcedores dos rojiblancos se desesperavam nas arquibancadas. O baque foi sentido pelo time, sem os seus dois maiores guerreiros.

O Atlético ficou de joelhos. Nem tanto pelas entradas de Raúl García e Adrián, mas sim pelo abalo psicológico. E o Barcelona se aproveitou muito bem disso. Passou a dominar o jogo no meio-campo, botando os visitantes contra a parede. Não ameaçava tanto o gol de Thibaut Courtois, mas fazia a bola rodar, buscando uma mínima brecha. Ela veio aos 33 minutos, em linda trama que acabou em um chutaço de Alexis Sánchez, indefensável. A morte do Atleti parecia ter hora marcada, só esperando os 90 minutos se esgotarem.

Spain Soccer La Liga

Simeone, no entanto, não é o comandante de tantos jogadores marcados pela raça à toa. O técnico é importante por ter montado o esquadrão, mas principalmente por saber tirar o máximo de seus soldados. Exatamente o que conquistou no segundo tempo. O Atlético era outro, com a faca entre os dentes. O bombardeio à área do Barcelona começou, capitaneado por David Villa. O veterano esbarrou na trave. Ainda assim, os colchoneros conseguiram minar os blaugranas na fraqueza mais evidente durante toda a temporada, os ataques aéreos. Diego Godín se encarregou de dar o golpe fatal, em uma cabeçada certeira.

>>> Pela primeira vez, um dérbi municipal na decisão da Champions: o maior da história de Madri

A partir daquele momento, o Atleti tinha o que precisava, o empate que já lhe dava o título. Era o momento de confiar em sua principal virtude, a solidez defensiva, e se entrincheirar na própria área. Também, de desafiar o ataque do Barcelona, tão temido em outros tempos, mas que não parece ter o mesmo arsenal. Messi pouco fez, Neymar saiu do banco e mal apareceu. Quem se sobressaia era a muralha rojiblanca, bloqueando cada chute dos catalães. E, quando ela foi furada, Courtois apareceu para fazer grande defesa, em bomba de Daniel Alves de fora da área. O Atlético se fechou até o último instante. Para abrir um enorme sorriso ao apito final.

A comemoração misturava alegria e lágrimas. O esforço tinha sido recompensado, mas também deixado as marcas no corpo de boa parte dos soldados. Simeone aplaudia seus homens, reconhecendo tudo o que fizeram. Acabou jogado para o alto, festejado como o comandante que possibilitou a conquista. Agora, o Atleti tem uma semana para se recobrar. Em outra frente, a última batalha, para tentar vencer a guerra contra o Real Madrid e fazer história na Liga dos Campeões. Se conseguir, um dos maiores esquadrões dos colchoneros se eternizará ainda mais.

Formações iniciais

Barcelona x Atlético

Destaque do jogo

A raça do Atlético de Madrid. Em uma campanha de 38 jogos, não dá fugir da principal qualidade da equipe para conquistar o título. A entrega do elenco de Diego Simeone é emblemática. Neste sábado, ela foi fundamental para recobrar o ânimo em busca do empate. O baque após as perdas de Diego Costa e Turan foi perceptível, mas os colchoneros renovaram suas forças para reverter a situação desfavorável e arrancar o resultado heroico. Depois, se entregaram ao máximo na defesa para segurar o empate. Soltaram o grito de campeão.

Momento chave

O intervalo. Não dá para saber o que Diego Simeone falou nos vestiários, mas é possível imaginar muito bem. A forma como o Atleti mudou sua postura foi notável, partindo para a pressão, em busca do gol que lhe daria o título. Villa carimbou a trave, a zaga do Barcelona ia bloqueando o bombardeio de chutes como dava. Até Godín marcar, de cabeça, o gol do título.

Os gols

33’/1T – GOL DO BARCELONA! Fàbregas domina no meio-campo e lança para Messi dentro da área. O camisa 10 se antecipa a Miranda e ajeita com o peito para Alexis Sánchez. Chute de primeira do chileno, rente à trave, sem tempo de reação para Courtois. Um golaço.

4’/2T – GOL DO ATLÉTICO! Escanteio pelo lado direito do ataque. Koke cruza em direção ao segundo pau, no meio da área. Godín sobe sozinho e cabeceia cruzado, longe de Pinto.

Curiosidade

Diego Simeone é o terceiro a conquistar La Liga como jogador e técnico do Atlético de Madrid. Em 1995/96, marcou um dos gols na vitória por 2 a 0 sobre o Albacete, que garantiu o título.

Ficha técnica

BARCELONA 1×1 ATLÉTICO DE MADRID

Barcelona
Juan Manuel Pinto, Dani Alves, Gerard Piqué, Javier Mascherano e Adriano; Sergio Busquets (Alex Song, 12’/2T), Cesc Fàbregas (Xavi, 32’/2T)e Andrés Iniesta; Alexis Sánchez, Lionel Messi e Pedro (Neymar, 17’/2T). Técnico: Tata Martino

Atlético de Madrid
Thibaut Courtois, Juanfran, Diego Godín, Miranda e Filipe Luís; Arda Turan (Raúl García, 22’/1T), Gabi, Tiago e Koke; David Villa e Diego Costa (Adrián, 16’/1T; José Ernesto Sosa, 27’/2T). Técnico: Diego Simeone.

Local: Camp Nou, em Barcelona
Árbitro: Antonio Mateu
Gols: Alexis Sánchez, 33’/1T; Diego Godín, 4’/2T
Cartões amarelos: Piqué, Messi, Busquets, Song e Mascherano (Barcelona); Godín, Tiago, Filipe Luis e Raúl García (Atlético de Madrid)
Cartões vermelhos: Nenhum


2 respostas para “Os guerreiros do Atlético suaram sangue para superar a última batalha e se sagrarem campeões”

  1. Giovani Lancelloti Montenegro disse:

    Merecido! Parabéns ao Atleti e sua torcida fanática.

  2. Anayran Pinheiro disse:

    Depois desta temporada, posso afirmar minha paixão pelos rojiblancos!!! Que time, que raça! Campanha emocionante DEMAIS feita, e que seja o início da revolução no futebol espanhol! Que mais Simeones apareçam para dar um maior equilíbrio para este campeonato ainda desbalanceado demais. E que venha a Champions!!!

Deixe uma resposta