O Bayern de Munique mantém a hegemonia que tem na Bundesliga também na Copa da Alemanha. São 16 títulos da competição que existe desde 1935, diferença de dez para o segundo clube que tem mais, o Werder Bremen. Além disso, os bávaros não costumam dar muito mole na decisão: são apenas três vices. Enquanto isso, o Borussia Dortmund é bem mais modesto na história da competição. Os aurinegros só levantaram a taça três vezes, menos da metade do total de Salvas de Prata que possuem. Por isso mesmo, os embates decisivos entre os dois times são tão raros. Ainda assim, o equilíbrio é notável.

Foram duas finais de Copa da Alemanha envolvendo os dois principais clubes do país, ambas na história recente da rivalidade. Uma vitória para cada lado. E o que é fato entre esse breve histórico de confrontos são os jogaços que ficaram na memória. Tanto Bayern quanto Dortmund têm suas lembranças e seus pesadelos das finais em Berlim.

A primeira decisão aconteceu em 2007/08. Treinado por Ottmar Hitzfeld, o mesmo técnico que 11 anos antes havia deixado os aurinegros após conquistar a Liga dos Campeões, o Bayern já contava com alguns dos destaques do time atual, como Schweinsteiger, Lahm e Ribéry. Do outro lado, Kehl e Kuba já estavam lá. Os protagonistas, no entanto, eram bem mais veteranos: Oliver Kahn, Alexander Frei e, sobretudo, Luca Toni. O italiano abriu o placar aos 11 minutos de jogo e, quando o empate parecia impensável, Mladen Petric marcou aos 47 do segundo tempo, levando o Dortmund à prorrogação. O problema é que o italiano estava impossível naquela noite e, em lance chorado, anotou o gol do título. O começo do fim de sua passagem na Baviera, perdendo espaço após a chegada de Louis van Gaal na temporada seguinte.

Em Dortmund, aquela derrota também provocou mudanças. E profundas. Thomas Doll deixou o comando da equipe e os aurinegros resolveram apostar em um jovem técnico que vinha do Mainz 05 após um ótimo trabalho: Jürgen Klopp. O treinador renovou as forças do clube e teve o gosto da revanche quatro anos depois. O Dortmund era bicampeão alemão e vinha de quatro vitórias seguidas sobre os rivais quando se pegaram pela final da Copa de 2011/12. E os bávaros não tiveram nem tempo de reagir. Kagawa anotou o primeiro e Robben empatou, mas, no fim do primeiro tempo, Hummels e Lewandowski deram a tranquilidade necessária. O polonês ainda completou seu hat-trick na segunda etapa, enquanto Ribéry descontou. Vitória por 5 a 2 do Dortmund, na maior goleada sobre o Bayern desde 1967.