A torcida do Borussia Dortmund certamente ficou ansiosa pelo retorno de Marco Reus aos gramados. A grave lesão que o atacante sofreu em junho o tirou da Copa do Mundo e da pré-temporada da equipe de Jürgen Klopp. No entanto, o craque voltou no momento certo para ajudar os aurinegros no início de suas campanhas. E, embora tenha sido pouco efetivo na estreia com derrota na Bundesliga, mostra que está pronto a voltar à velha forma. Sob o brilho do camisa 11, o Dortmund venceu o Augsburg por 3 a 2 nesta sexta.

VEJA TAMBÉM: Simplicidade foi o segredo para a camisa do Dortmund ser tão linda

Não foi das atuações mais constantes de Reus. Em alguns momentos do jogo, o ponta não apareceu tanto para o jogo. Mesmo assim, foi quem botou fogo na equipe para abrir a vitória. O primeiro gol nasceu a partir de uma excelente tabela com Kevin Grosskreutz, em que o camisa 11 se projetou entre seis defensores do Augsburg e tocou na saída do goleiro. E ele ainda deu a assistência para Sokratis Papasthatopoulos anotar o segundo, graças a ótimo cruzamento em cobrança de escanteio. No segundo tempo, o terceiro ficou por conta de Adrián Ramos, aproveitando rebote.

O mais importante para Reus é recuperar o ritmo. E a forma como ele participa da criação de jogadas é imprescindível ao Dortmund. Mesmo sem jogar os 90 minutos, deixando o campo já no final, o atacante foi quem mais participou das finalizações de sua equipe. Foram quatro chutes e seis passes que os seus companheiros arrematassem, importante principalmente nas bolas paradas. Tanto quanto um jogador que chama a responsabilidade, Reus é o craque do time por também fazer os outros homens de frente jogarem.

No final da partida, o Dortmund até levou um susto. Tomou dois gols, permitindo que o Augsburg encostasse no placar. A vitória, ao menos, foi mantida. E, mais importante que isso, é a certeza de que Marco Reus recupera o brilhantismo que o colocava como o jogador da Alemanha em melhor fase às vésperas da Copa. Se os aurinegros querem mesmo desafiar o Bayern pelo título da Bundesliga, não há outro que os torne mais capazes disso do que o camisa 11.