A contratação de Neymar pelo Paris Saint-Germain voltou os olhos de muita gente para a Ligue 1. O Campeonato Francês foi notícia durante as últimas semanas de forma muito mais intensa que vinha sendo antes e a estrela brasileira pode ajudar a impulsionar os contratos de TV da liga francesa, segundo presidente do Lyon, Jean-Michel Aulas. Só que ele alerta sobre os riscos de uma bolha criada pela contratação recorde do PSG e faz um alerta em relação ao Fair Play Financeiro, que, para ele, perdeu seus principais defensores.

LEIA TAMBÉM: A festa a Neymar no Parc des Princes também representa a mudança nas arquibancadas do PSG

“Eu não sou uma figura anti-PSG”, afirmou Aulas. “Contudo, com a contratação de Neymar, o orçamento do PSG é de cerca de € 700 milhões”, continuou. “Como o clube não gera receitas na altura de tantos gastos, isso irá desequilibrar a economia que já estava sofrendo em primeiro lugar”.

“Isso também pode ser positivo, porém. Isso pode permitir que a Ligue 1 atraia novos parceiros e, particularmente, negociar novos direitos de TV”, analisou o dirigente. Aulas ainda negou que tenha inveja do PSG. “Ao contrário, eu aplaudo isso. Contudo, eu alerto que uma bolha se formou que pode explodir a qualquer momento. A bolha não pode durar”, disse.

“Com todo respeito ao Fair Play Financeiro, desde que Michel [Platini] deixou a Uefa, ele perdeu todos os seus maiores defensores”, afirmou Aulas. “Se o Fair Play Financeiro não for mais uma medida preventiva na Europa, o Estado tem que ser capaz de intervir e tomar as decisões para chegar e verificar de onde os fundos dessas coisas vêm”, opinou o dirigente do Lyon.

O presidente atual da Uefa, Aleksander Ceferin, já levantou a possibilidade de fazer mais controles financeiros nas ligas europeias, como ideias de um teto salarial ou um limite de gastos. Estas, porém, são apenas ideias até agora. Parecem muito distantes de se tornarem realidade. O Fair Play Financeiro já é uma boa ideia – os clubes podem ter no máximo 30 milhões de euros de prejuízo em três anos consecutivos -, mas se não forem analisadas as receitas dos clubes, será difícil aplicar a medida com alguma eficiência.