Quando surgiu no futebol, Sergio Asenjo era visto como o principal concorrente de David de Gea ao futuro da seleção espanhola. Ambos figuravam frequentemente nas equipes nacionais de base e passaram a disputar espaço no Atlético de Madrid, quando Asenjo foi trazido do Valladolid em 2009. Um ano mais velho, o recém-contratado começou a temporada como titular. Contudo, perdeu espaço no segundo semestre e as carreiras se distanciaram em definitivo entre 2010 e 2011, quando o reserva sofreu duas rupturas de ligamento no joelho. Depois, seria suplente de Thibaut Courtois. E se não chegou ao patamar dos dois antigos companheiros, hoje inquestionáveis na Inglaterra, o espanhol constrói desde 2013 uma trajetória digníssima no Villarreal. Ainda sofreu mais duas lesões de ligamento no Submarino Amarillo, mas já se vão cinco anos como titular absoluto. Neste domingo, viveu um dos melhores momentos da carreira, ao pegar dois pênaltis no mesmo jogo, assegurando a vitória por 1 a 0 sobre o Getafe.

Asenjo passou quase metade da temporada no departamento médico, se recuperando da quarta contusão grave nos joelhos e também de um problema nas costas. A partir de dezembro, retomou a titularidade do Villarreal. Ajuda o time a brigar por um lugar na Liga Europa e, quem sabe, até sonhar com a Champions. O Submarino Amarillo encerrou uma sequência de três rodadas sem vitória, assumindo a quinta colocação com 41 pontos. Agora seca Valencia e Sevilla, seus concorrentes mais próximos da tabela, para seguir a cinco pontos dos Ches e dois à frente dos Rojiblancos.

No Estádio de la Cerámica, o Villarreal dependeu de Asenjo. A vitória começou a ser construída por Enes Ünal, abrindo o placar logo aos três minutos. O Getafe teve a primeira chance de empate aos 36. O goleiro saltou para a direita e espalmou o pênalti cobrado por Ángel Rodríguez. Já aos quatro do segundo tempo, nova penalidade aos visitantes. Seria a vez do camisa 1 mudar de lado e, à esquerda, barrar também o chute de Jorge Molina. Foi a primeira vez que o arqueiro pegou dois penais na carreira e apenas a terceira vez que isso acontece nesta década pelo Campeonato Espanhol – Diego Alves e Salvatore Sirigu são os antecedentes.

De Gea é um patamar inalcançável a Asenjo. Mas, ídolo do Villarreal, o goleiro ao menos pode sonhar com a Copa do Mundo. Antes de sofrer suas lesões mais recentes, foi convocado por Julen Lopetegui, participando dos amistosos no final de 2016. Pepe Reina é o principal candidato à reserva da Roja. Mas há uma lacuna pelo terceiro posto, com Kepa Arrizabalaga um passo à frente, especialmente por sua idade. Se voltar ao seu melhor, porém, Asenjo tem a chance de ao menos concretizar algo que seu talento indicou no passado.