Paulinho foi mal contra o México (AP Photo/Francois Xavier Marit, pool)

Análise: até agora, Paulinho só provou que não tem lugar na Seleção hoje

Durante o empate sem gols com o México, quase todos os torcedores brasileiros ficaram se perguntando o que Paulinho estava fazendo em campo. Por que Felipão não sacava logo o volante? Pelo segundo jogo seguido, o ex-corintiano teve um desempenho sofrível. Contra a Croácia, deu lugar a Hernanes. Já nesta terça, no Castelão, foi inacreditavelmente mantido durante os 90 minutos de jogo, mesmo com o atleta da Internazionale e Fernandinho como opção no banco. Paulinho foi completamente nulo, apenas notado quando errava algum passe ou se posicionava mal durante um ataque.

VEJA TAMBÉM: Brasil 0×0 México: Uma atuação da Seleção para se esquecer

O mapa de calor com os locais de atuação de Paulinho mostra que o volante esteve por toda a parte. E é incrível como, mesmo assim, atuou como se não estivesse em lugar algum. Acertou apenas 78% dos passes, poucos deles verticais. Não apareceu como o elemento surpresa. Não foi bem na marcação, sobrecarregando Luiz Gustavo e Oscar, que, por exemplo, foi o que mais desarmou no jogo, com cinco no total. Quantos desarmes fez Paulinho, em comparação? Nenhum.

Mapa de calor mostrando as áreas de atuação de Paulinho

Mapa de calor mostrando as áreas de atuação de Paulinho

Essa falta de participação não apenas ofensiva, mas também defensiva prejudica demais a criatividade da equipe. Como é que Oscar vai se encarregar de armar a equipe, sua principal função, se precisa despender tanto esforço em algo que deveria fazer só uma vez ou outra? Além disso, Paulinho é quem deveria ser o principal responsável em levar a bola da defesa ao ataque, e se observarmos os passes do jogador veremos que poucos deles foram verticais.

Passes de Paulinho no jogo. Acerto foi de 78%

Passes de Paulinho no jogo. Acerto foi de 78%

Paulinho teve uma temporada bastante decepcionante pelo Tottenham, perdendo a titularidade e não se destacando quando entrava em campo. Mesmo com essas circunstâncias, Felipão fazia questão de, publicamente, defender o jogador e afirmar que não havia o risco de que ele ficasse de fora da Copa ou mesmo do time titular. Talvez tenha de repensar essa postura.

Não que o problema de Paulinho seja motivação. É inimaginável um jogador brasileiro não motivado em um Mundial dentro do próprio país. Mas o volante precisa saber que há o perigo de perder a vaga se não entregar de acordo com a expectativa. No banco, Fernandinho, que teve temporada muito convincente pelo Manchester City, está esperando por uma oportunidade. Hernanes, que normalmente é efetivo quando ganha alguns minutos com a camisa amarela, também. Talvez seja o caso de sequer esperar pois mais uma atuação frustrante de Paulinho. Por que não começar com um dos dois já diante de Camarões? Na pior das hipóteses, nenhum deles faria pior que o jogador do Tottenham fez até agora na Copa.